Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Clima
La Niña consecutiva pode ser devastador para milho e soja
Regiões agrícolas da Argentina e do Sul do Brasil recebem até 30% menos chuvas do que o normal.
Agrolink
por  Agrolink
23/08/2021 15:47 – atualizado há 2 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

Aumentou a probabilidade de “La Niña” de 67% para 70% para o próximo verão do Hemisfério Sul, segundo o novo relatório semanal da NOAA (Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos). Se confirmada a ocorrência, seria o segundo ano consecutivo desse fenômeno climático que altera o regime de chuvas e clima – um fato raro.

De acordo com informe da Bolsa de Valores de Rosário (BCR), nos últimos 35 anos essa repetição de La Niña consecutiva ocorreu apenas três vezes: nas temporadas 2008/2009, 2011/2012 e 2017/18. “Foram três das piores campanhas de soja e milho da Argentina”, destacam os vizinhos.

Passadas duas semanas desde a publicação do último índice ONI (Oceanic Niño Index), a NOAA deixa claro que há uma tendência firme para a instalação de La Niña, principalmente entre os meses de novembro de 2021 a fevereiro 2022. A dúvida que ainda existe é em torno de qual será a intensidade do evento.

Nos anos de ocorrência do La Niña, as regiões agrícolas da Argentina e do Sul do Brasil recebem até 30% menos chuvas do que o normal. Na Argentina, por exemplo, a soja teve quebra de até 38%, enquanto para o milho os rendimentos baixaram consideravelmente.

O relatório da BCR acrescenta que os sinais de mau tempo no atual inverno do Brasil e da Argentina são indicadores de dificuldade. De acordo com José Luis Aiello, Dr. em Ciências Atmosféricas, o “nível de seca é extraordinário, é um dos mais importantes que já vimos”.

“Está tendo um impacto como nunca antes no abastecimento de água para a população e nos níveis de energia. As barragens estão funcionando em níveis bem abaixo do normal e isso se reflete nos problemas com o rio Paraná. Essa seca tem poucas chances de se reverter até pelo menos novembro. A administração brasileira de alarmes ambientais não vê respostas favoráveis nos modelos climáticos. A situação é muito incerta”, conclui.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...