Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Economia
Povos indígenas continuarão acampados em Brasília
Grupo segue mobilizado para acompanhar o julgamento do marco temporal. STF deve analisar o caso em 1º de setembro.
R7
por  R7
29/08/2021 20:14 – atualizado há 5 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

Indígenas que estão em Brasília para acompanhar o julgamento do marco temporal, conduzido pelo Supremo Tribunal Federal (STF), decidiram manter a mobilização na capital federal pelo menos até a próxima semana. O grupo faz parte do acampamento “Luta Pela Vida” e está em Brasília desde o dia 22 de agosto. O julgamento no STF estava marcado para o dia 26, mas foi adiado para 1º de setembro.

Os indígenas ficarão acampados na região do Complexo Cultural Funarte, localizado entre a Torre de TV e o Centro de Convenções. O Governo do DF está preparando o espaço para o grupo firmar o acampamento ainda neste domingo. Eles estavam instalados na Esplanada dos Ministérios. Ao menos mil lideranças permanecerão acampadas no DF até 2 de setembro.

Na última sexta-feira, o grupo marchou pela Esplanada até a Praça dos Três Poderes e incendiou um caixão em frente ao Palácio do Planalto. O ato foi criticado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Julgamento

O STF vai decidir se as comunidades tradicionais têm direito apenas sobre as terras já ocupadas antes da promulgação da Constituição, em 5 de outubro de 1988.

O marco temporal foi criado por uma decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) que, em 2013, concedeu ao Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina a reintegração de posse de uma área que fica dentro da Reserva Biológica do Sassafrás, onde também está localizada a Terra Indígena Ibirama-La Klãnõ.

A reserva é ocupada pelos povos xokleng, guarani e kaingang. A decisão do TRF-4 foi questionada no Supremo pela Fundação Nacional do Índio (Funai). O Instituto Socioambiental alega que a tese do marco temporal está sendo usada pelo governo federal para evitar novas demarcações de terras indígenas.

O instituto também alega que 63% das terras ocupadas pelos indígenas podem ser desapropriadas caso o Supremo valide o marco temporal. Milhares de indígenas acompanham o julgamento e protestam na Praça dos Três Poderes, em Brasília. A Polícia Militar reforçou a segurança na região.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...