Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cidade
Acendimento da Chama Crioula marca início da Semana Farroupilha no RS
Momento teve a presença do governador Eduardo Leite e de integrantes do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG)
Correio do Povo
por  Correio do Povo
14/09/2021 14:16 – atualizado há 56 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

A Chama Crioula, um dos símbolos do tradicionalismo gaúcho, foi acesa durante solenidade no Palácio Piratini nesta terça-feira. Momento teve a presença do governador Eduardo Leite e de integrantes do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG). O ato marcou a abertura oficial da Semana Farroupilha no Rio Grande do Sul, que se estende até o dia 20 de setembro, e a abertura da exposição fotográfica "Gaúcho para além do imaginário", de Fábio Mariot, dentro das comemorações do centenário do Palácio Piratini. Em razão da pandemia da Covid-19, o evento ocorreu com um número reduzido de pessoas.

A chama chegou ao Palácio Piratini por volta das 9h15min trazida pelos cavalarianos da 1ª Região Tradicionalista, que foram recepcionados pelo governador Eduardo Leite e pelo vice, Ranolfo Vieira Júnior.

Liliana Cardoso, patrona dos Festejos Farroupilhas de 2021, foi a primeira a falar sobre as atividades do tradicionalismo gaúcho. Extremamente emocionada, fez um relato sobre as dificuldades impostas pela pandemia e afirmou que o momento é de união de toda a sociedade. "É um momento muito emocionante porque estou há 37 anos dentro de um centro tradicionalista. Uma guria criada no bairro Cohab Costa e Silva, periferia de Porto Alegre, que sempre prezou pela educação e pela cultura", ressaltou.

A declamadora Liliana Cardoso é a patrona dos Festejos Farroupilhas de 2021 - Foto: Gustavo Mansur/ Palácio Piratini

No seu discurso, o governador Eduardo Leite abordou as lições que a data farroupilha traz, de respeito às diferenças e de fortalecimento do diálogo. "É por momentos como esse, em que uma patrona mulher negra é recebida por um governador gay, que mostra que o Rio Grande do Sul vem crescendo. Que o nosso confronto é apenas de ideias, e não entre o povo", ressaltou. Segundo Leite, a luta travada na Revolução Farroupilha, mesmo que não se soubesse disso naquele momento, também era por liberdades como a do dia de hoje no Palácio Piratini. "Essa liberdade onde as pessoas se respeitam por suas diferenças, independentemente de suas origens e crenças, e se fortalecem por seu caráter", afirmou.

Os Festejos Farroupilhas deste ano têm por objetivo homenagear e comemorar o bicentenário de nascimento de Anita Garibaldi. “Caminhos de Anita” pretende retratar a heroína conhecida por sua participação e envolvimento direto na Revolução Farroupilha (1835/1845). O tema dos festejos é uma homenagem aos caminhos percorridos por Anita Garibaldi e à sua bravura, inserida no contexto da Revolução Farroupilha - a mais longa revolução do Brasil, que durou quase dez anos e tinha como ideais liberdade, igualdade e humanidade.

Anita, ao lado de Giuseppe Garibaldi (1807/1882), lutou pela causa da liberdade no Rio Grande do Sul. Para garantir o merecido reconhecimento à memória da "Heroína de Dois Mundos", como era conhecida, o decreto 55.756, de 09 de fevereiro de 2021, instituiu, no Estado, o Ano de Anita, dedicado às comemorações pela passagem dos 200 anos de seu nascimento.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...