Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Divulgação
Economia
Crise mundial de contêineres afeta operações no Porto de Itajaí
Fenômeno é causado por uma "redistribuição" destes materiais para portos com alta demanda de exportação.
NDMais
por  NDMais
07/10/2021 18:13 – atualizado há 1 minuto
Continua depois da publicidadePublicidade

Mesmo com aumento na movimentação geral de contêineres, o Complexo Portuário de Itajaí e Navegantes tem sofrido dificuldades no transporte de cargas, devido a falta mundial de contêineres.

“A falta de contêineres é mundial, não é só no Brasil nem só na nossa região”, afirma o diretor-geral de Operações Logísticas do Porto de Itajaí, Heder Cassiano Moritz. O fenômeno é causado pela alta demanda do material em portos exportadores, como dos Estados Unidos e da Ásia. “Foi um efeito mundial de redistribuição”, explica.

A falta de contêineres, segundo Moritz, afeta o valor dos fretes, principalmente os internacionais. Itajaí é um dos principais portos de transportes de cargas conteinerizadas do Brasil, e apesar de ter registrado uma alta na movimentação, sentiu o atraso nas movimentações.

Mas quem mais sente os impactos são os importadores e exportadores, que têm mais dificuldades na disponibilização destes equipamentos. Isso pode atrasar e encarecer fretes.

Cargas refrigeradas

A falta de contêineres também afetou o transporte de cargas refrigeradas, como frango e suínos. Segundo Moritz, este ano, depois de muito tempo, houve uma movimentação deste tipo de cargas em navios “reefer”, ou seja, a carga solta, em caixas, “utilizando a movimentação normal em um navio de carga frigorificada”.

“Ou seja, faltou contêiner e tiveram que fazer o uso desse tipo de navio para poder fazer as movimentações”, afirma Moritz.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...