Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde
OMS recomenda terceira dose para idosos que receberam a CoronaVac
Pacientes com problemas no sistema imunológico deverão receber terceira dose independentemente de qual vacina tomaram nas primeiras doses.
O Sul
por  O Sul
11/10/2021 21:18 – atualizado há 9 horas
Continua depois da publicidadePublicidade

O Grupo Consultivo Estratégico de Especialistas (SAGE, na sigla em inglês) da Organização Mundial de Saúde (OMS) recomendou, em um documento divulgado nesta segunda-feira (11), que imunossuprimidos vacinados com qualquer vacina e idosos a partir de 60 anos que tomaram a CoronaVac recebam uma terceira dose de vacina contra a Covid-19.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O grupo da OMS recomendou que os idosos sejam vacinados com uma terceira dose da própria CoronaVac. A imunização com outra vacina poderá ser considerada “com base no fornecimento” e “nas considerações de acesso”, segundo a entidade.

“Ao implementar esta recomendação, os países devem inicialmente ter como objetivo maximizar a cobertura de 2 doses nessa população e, posteriormente, administrar a terceira dose, começando nos grupos de idade mais avançada”, recomendou o grupo de especialistas.

No Brasil, todos os públicos autorizados a receber a terceira dose devem receber, preferencialmente, a vacina da Pfizer.

A recomendação da OMS de terceira dose para os idosos também vale para aqueles que receberam a vacina da Sinopharm, que não é usada no Brasil. Tanto a vacina da Sinopharm como a CoronaVac usam o vírus inativado, e, por isso, tendem a gerar uma resposta menor do sistema imune. O que não significa que a vacina não seja eficaz.

Imunossuprimidos

A recomendação da OMS é que todos os pacientes com imunossupressão moderada ou grave devem receber uma terceira dose de vacina, independentemente de qual tenham recebido nas primeiras duas doses.

Pacientes imunossuprimidos são aqueles com o sistema imunológico suprimido ou comprometido: pessoas vivendo com HIV com baixa contagem de CD4, pacientes com câncer e pessoas que receberam um transplante, por exemplo.

A justificativa da entidade foi que essas pessoas são menos propensas a responder adequadamente à vacinação após a aplicação do esquema normal, e, além disso, correm alto risco de desenvolver formas graves da Covid-19.

No Brasil

No fim de setembro, o Ministério da Saúde já havia anunciado uma terceira dose de vacina para o público a partir dos 60 anos que tivesse sido imunizado com qualquer vacina, desde que a segunda dose tivesse sido tomada mais de seis meses antes da terceira.

Pessoas imunossuprimidas e profissionais de saúde também já podiam receber a terceira dose no País.

A recomendação do Ministério da Saúde era que todos esses grupos – inclusive os idosos – recebessem a vacina da Pfizer na terceira dose.

A pasta também informou que não pretende usar a CoronaVac nem a vacina da Johnson, de dose única, para imunizar a população contra a Covid em 2022.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...