Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Economia
Conta de luz pode subir mais de 20% em 2022 prevê a Agência Nacional de Energia Elétrica
Percentual seria necessário para cobrir o rombo gerado pela crise energética
O Sul
por  O Sul
12/11/2021 21:54 – atualizado há 16 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

A área técnica da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) calculou que o reajuste tarifário médio nas contas de luz em 2022 deve ser de 21,04% para cobrir o rombo gerado pela crise energética neste ano.

O Brasil vive a pior crise hídrica dos últimos 91 anos. Por conta disso, o governo teve que acionar as usinas termelétricas para garantir o fornecimento de eletricidade, o que aumentou o custo de produção de energia. A informação sobre o possível reajuste consta em ofício da superintendência de Gestão Tarifária da agência enviado à assessoria de diretoria. O ofício é do dia 5 de novembro.

“Nesse contexto, nossas estimativas apontam para um cenário de impacto tarifário médio em 2022 da ordem de 21,04%, quando avaliado todo o universo de custos das distribuidoras e incluídos esses impactos das medidas para enfrentamento da crise hídrica”, escreve Claudio Elias Carvalho, superintendente adjunto de gestão tarifária.

Contudo, o reajuste que de fato será aplicado nas contas de luz em 2022 ainda pode mudar, pois cabe à diretoria da Aneel a decisão final. O governo também já anunciou que estuda medidas para atenuar o impacto tarifário em 2022.

Foto: Agência Brasil

Custo da crise energética

De acordo com a área técnica, o déficit de arrecadação do sistema de bandeiras tarifárias chegará a 13 bilhões até abril de 2022, mesmo considerando a aplicação da bandeira escassez hídrica às contas de luz, a qual adiciona R$ 14,20 às faturas para cada 100 kW/h consumidos.

“Esse déficit de custo [da Conta Bandeiras] frente à cobertura tarifária distribuidoras implica em um impacto tarifário médio de aproximadamente 6,37%”, diz a área técnica da Aneel.

A bandeira tarifária é um sistema criado em 2015 e que aplica uma cobrança adicional às contas de luz sempre que aumenta o custo da produção da energia no País. O custo da produção de energia aumentou porque o país teve que acionar as usinas termelétricas para garantir o fornecimento de eletricidade. As termelétricas são as usinas mais caras do sistema, pois utilizam combustíveis como carvão, óleo, óleo diesel e gás natural para funcionar.

Além do déficit na arrecadação do sistema de bandeiras, a compra emergencial de energia de reserva, no leilão realizado em outubro, vai custar R$ 9 bilhões em 2022, o que equivale a um impacto tarifário médio de 4,49%, de acordo com os dados da superintendência.

Empréstimo

O MME (Ministério de Minas e Energia) vai apoiar um novo empréstimo às distribuidoras para cobrir os custos extras com a geração de energia em 2021. O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) é o responsável por coordenar a operação junto a bancos públicos e privados.

O objetivo é evitar que toda a conta do custo extra seja repassado para os consumidores em 2022, ano eleitoral. Com o empréstimo, o custo será diluído ao longo do tempo. A conta ainda será paga pelos consumidores, com juros.

O valor do novo empréstimo deve ficar entre R$ 10 bilhões e R$ 15 bilhões, mais a taxa de juros que está sendo definida. O valor será custeado pelos consumidores ao longo de seis a oito anos, através de um encargo aplicado à conta de luz.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...