Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Política
Senado aprova criação de Cadastro Nacional de Pessoas Condenadas por Violência contra a Mulher
Objetivo da medida é fortalecer políticas públicas e coibir casos de feminicídio, lesão corporal, perseguição, violência psicológica e estupro.
O Sul
por  O Sul
18/11/2021 09:54 – atualizado há 44 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

O Senado aprovou, por unanimidade, nesta quarta-feira (17) o projeto que cria o CNPC Mulher (Cadastro Nacional de Pessoas Condenadas por Violência contra a Mulher).

A proposta altera uma lei de 2020, que criou o Cadastro Nacional de Pessoas Condenadas por Crime de Estupro, transformando-o no CNPC Mulher. O objetivo do projeto é fortalecer políticas públicas e coibir casos de feminicídio, lesão corporal, perseguição, violência psicológica e estupro. O texto segue para análise da Câmara dos Deputados.

“Hoje, existe apenas um cadastro daqueles que foram condenados por estupro. Esse cadastro se encontra no Conselho Nacional de Justiça, e a nossa proposta propõe, também, que nesse cadastro se incluam: estupro de vulnerável; aqueles condenados por feminicídio; lesão corporal contra a mulher; perseguição contra a mulher e violência psicológica”, afirmou a autora da proposta, senadora Kátia Abreu (PP-TO). De acordo com o projeto, o banco de dados será mantido e regulamentado pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça).

O cadastro reunirá algumas informações de condenados por decisão transitada em julgado, são elas: CPF, perfil sociocultural, idade, sexo, raça/etnia, profissão e escolaridade; características físicas e dados de identificação de digital;

fotos; local de moradia e de trabalho; identificação do perfil genético, caso este já tenha sido colhido; anotação sobre eventual reincidência.

Inicialmente, a proposta previa a inserção de dados de condenados em segunda instância, mas a relatora Eliane Nogueira (PP-PI) acolheu uma sugestão para restringir aos condenados por decisão transitada em julgado (quando não há mais possibilidade de recurso).

De acordo com o projeto, constarão do Cadastro condenados pelos seguintes crimes previstos no Código Penal: feminicídio; estupro; estupro de vulnerável; lesão corporal praticada contra a mulher; perseguição contra a mulher; violência psicológica contra a mulher.

Pelo texto, o acesso às informações da base de dados será permitido a órgãos públicos após acordo celebrado entre União, Estados e municípios. A proposta veda o acesso de particulares ao cadastro.

“Vai ser de uma grande utilidade para o poder público, para o poder de polícia de todo o Brasil”, disse a senadora Kátia Abreu. O cadastro será atualizado periodicamente e os responsáveis deverão excluir da base de dados informações de condenados no caso de prescrição do crime ou de a pena já ter sido cumprida ou extinta de outra maneira.

Os custos para a instalação, desenvolvimento e manutenção do CNPC Mulher serão pagos com recursos do Fundo Nacional de Segurança Pública. Caso a proposta seja aprovada pela Câmara e sancionada pelo presidente da República, a lei entrará em vigor seis meses após a publicação no Diário Oficial da União.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...