Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Economia
Aprovada criação do MEI Caminhoneiro com tributação diferenciada
Limite de enquadramento passa de R$ 81 mil para R$ 251,6 mil anuais. Texto agora volta ao Senado para nova votação.
R7
por  R7
19/11/2021 12:29 – atualizado há 7 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

A nova proposta do chamado MEI (Microempreendedor Individual) Caminhoneiro foi aprovada pela Câmara dos Deputados na última quarta-feira (17) com mudanças na atual tributação da categoria. Devido às alterações, o projeto de lei que inclui esse grupo volta agora ao Senado para nova votação.

De acordo com o texto aprovado, o limite de enquadramento para os caminhoneiros passa dos atuais R$ 81 mil para até R$ 251,6 mil de faturamento anual. Um pouco abaixo dos R$ 300 mil anunciados pelo governo federal no lançamento do MEI Caminhoneiro, em fevereiro.

Segundo a relatora, deputada Caroline de Toni (PSL-SC), o acréscimo no limite considerou os custos de operação da categoria. "Cerca de 600 mil motoristas terão muitos benefícios, pagando alíquotas mais baixas ao INSS e tendo acesso ao crédito e à regularização da atividade”, afirmou.

Por meio do MEI, os caminhoneiros contam com a possibilidade de pagamento de carga tributária reduzida. Graças ao sistema de recolhimento único, o DAS (Documento de Arrecadação Simplificada), eles têm acesso a um valor fixo, inferior ao das alíquotas do Simples, que incidem sobre a receita bruta e são progressivas, conforme a faixa de faturamento.

A proposta aumenta o número de integrantes do Comitê Gestor do Simples Nacional, incluindo um representante do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) e um das confederações nacionais de representação do segmento de micro e pequenas empresas.

A exigência de quórum para as deliberações do comitê passará a ser de três quartos, a mesma presença exigida para a realização das reuniões.

Eleitorado

A iniciativa em favor dos caminhoneiros, uma das bases do eleitorado do presidente Jair Bolsonaro, é considerada um avanço para a categoria, principalmente depois que o governo anunciou que poderia desistir de conceder outro benefício, o auxílio-diesel de R$ 400.

Em outubro, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, afirmou que isso ocorreria por causa da insatisfação da categoria com o valor oferecido. Para evitar uma paralisação nacional, o governo federal tinha sugerido o benefício, que ajudaria a custear parte do combustível usado pelos profissionais do setor.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...