Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Segurança
João de Deus é condenado a mais 44 anos de prisão por 4 estupros
Denúncias contra suposto médium vieram à tona em 2018; ele possui outras condenações.
R7
por  R7
25/11/2021 15:08 – atualizado há 20 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

João Teixeira de Faria, conhecido como João de Deus, que se apresentava como médium na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia (GO), foi condenado a mais 44 anos e seis meses de prisão, em regime fechado, por quatro crimes de estupro, sendo dois deles de vulnerável. A sentença, do juiz Marcos Boechat, da comarca de Abadiânia, foi publicada nesta quinta-feira (25) pelo Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO), mas o teor completo da decisão não foi divulgado.

Reprodução R7

Os casos de estupro ocorreram entre 2009 e 2018. João de Deus foi denunciado em cinco casos, mas foi absolvido em um deles, por insuficiência de provas. A Justiça goiana fixou indenizações por danos morais às vítimas em valores que variam de R$ 20 mil a R$ 75 mil. João de Deus poderá recorrer da sentença. Atualmente, ele está em prisão domiciliar, que foi decretada em outro processo.

João de Deus sempre negou todas as acusações de crimes sexuais. A defesa do condenado informou que ainda não foi intimada, não sabendo ainda o teor da condenação.

As denúncias contra João de Deus vieram à tona em 2018, após relatos de vítimas à imprensa. Depois dos primeiros casos, outros surgiram, com centenas de mulheres informando que haviam sido vítimas do suposto médium ao longo de décadas de atuação em Abadiânia. A Casa recebia em alguns dias da semana, quando João Teixeira fazia atendimentos, mais de 5 mil pessoas. Ele abusava das mulheres alegando que fazia parte do tratamento, e quando algumas o questionavam, ele as coagia, dizendo que não encontrariam a cura para o que procuravam.

Em dezembro de 2018, poucos dias após as primeiras denúncias, João de Deus foi preso pela primeira vez. Ele saiu da prisão no início da pandemia da Covid-19, em março do ano passado, e ficou detido em sua residência. Ele voltou a ser preso em agosto deste ano, acusado de estupro de vulnerável. Em setembro, a Justiça determinou que ele voltasse a cumprir prisão domiciliar.

João de Deus possui outras três condenações por crime sexual. Em janeiro do ano passado ele foi condenado a 40 anos de prisão por estupro de cinco mulheres durante atendimentos na Casa Dom Inácio. A última condenação havia sido em maio deste ano, quando foi condenado por violação sexual mediante fraude.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...