Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde
RS tem tendência de aumento de casos de H3N2, diz Vigilância Epidemiológica do Estado
Vacinação contra gripe e uso de protocolos sanitários são as melhores formas de prevenção.
Correio do Povo
por  Correio do Povo
23/12/2021 21:29 – atualizado há 4 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

Após a confirmação da primeira morte por gripe Influenza do tipo H3N2 no Rio Grande do Sul, a Secretaria Estadual da Saúde (SES) prepara estratégia de combate ao vírus, que começa a se espalhar pelo Estado. A vítima, uma mulher de 67 anos e moradora de São Francisco de Paula, não havia recebido medicação antiviral e apresentava doenças crônicas. “A tendência é aumentar o número de casos, pois a circulação do vírus acontece”, observa a chefe da Divisão de Vigilância Epidemiológica, do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), Tani Ranieri.

Freepik

As medidas de proteção contra o vírus influenza do tipo A-H3N2 são as mesmas utilizadas diante da Covid-19 – uso de máscara de proteção facial, respeito ao distanciamento interpessoal, higienização correta das mãos, ambientes com ventilação de ar e realizar a vacinação.

“O vírus Influenza, normalmente, circula o ano inteiro. Tem uma maior sazonalidade no período de inverno. Desde 2020, nós não identificamos a circulação do vírus, até pela prevalência do SARS-CoV-2, que inibiu os demais vírus. Agora, como estamos em um processo de maior flexibilização das próprias condutas, com percentual importante da população vacinada, isso abre espaço para uma competição entre os vírus. Isso foi o que aconteceu em alguns estados brasileiros e já ocorre aqui no RS. Não estamos vivendo uma situação de surto, mas já vemos a presença do vírus em várias cidades gaúchas”, explica Tani Ranieri.

Segundo a SES, não houve a detecção no Estado de outras formas do vírus Influenza (A-H1N1 e B). Em Porto Alegre, até agora, são 13 casos. O secretário municipal da Saúde, Mauro Sparta, avalia o cenário. “O vírus H3N2 é endêmico em Porto Alegre, ou seja, ele circula de forma permanente há muito tempo na cidade. O que se observa é a mudança na sazonalidade, ou seja, a maior frequência da circulação ocorre nos meses mais frios. Com a diminuição do isolamento e a flexibilização das medidas preventivas à Covid-19, se registra maior ocorrência de casos de Influenza provocados pelo vírus. Até esta quinta-feira, há confirmados 13 casos de influenza A-H3N2 na cidade, sendo 11 pessoas internadas, nenhuma em estado grave”, afirma.

A pasta também tem estratégia definida para enfrentar o vírus. “A SMS recebe o medicamento Oseltamivir (Tamiflu) do Ministério da Saúde e distribui para todos os serviços, públicos e privados, da Rede de Assistência à Saúde em Porto Alegre. Também oferece a vacinação pelo SUS em unidades de saúde da Capital. As pessoas devem ser vacinadas, ventilar o ambiente de forma natural, cumprir isolamento quando estiverem sintomáticas, não se reunir com outras pessoas quando sintomáticas, utilizar máscaras e praticar a etiqueta respiratória e a higiene de mãos – mesmas medidas preventivas preconizadas para prevenção à Covid-19”, acrescenta o secretário.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...