Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Divulgação
Agro
Clima dificulta avanço na semeadura da soja que chega a 93% no Estado
No momento, o plantio alcança 93% da área estimada.
Assessoria/Emater
por  Assessoria/Emater
30/12/2021 21:22 – atualizado há 10 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

A escassez de chuva no Rio Grande do Sul dificulta um avanço expressivo na semeadura da soja. No momento, o plantio alcança 93% da área estimada. De acordo com o Informativo Conjuntural produzido e divulgado nesta quinta-feira (30/12) pela Gerência de Planejamento da Emater/RS-Ascar, vinculada à Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seadpr), do total plantado, 90% está em fase de germinação ou desenvolvimento vegetativo, 10% em floração.

Sob os efeitos do déficit hídrico, a colheita das lavouras de milho avança no Estado e estima-se que 7% da área já tenha sido colhida. Assim como da soja, o plantio do milho também chega a 93% do total da área estimada, sendo que 26% está em germinação e desenvolvimento vegetativo, 17% em floração, 27% em enchimento de grãos, 23% em maturação. A área colhida já atinge 7%.

Com a semeadura tecnicamente encerrada, as lavouras de arroz se desenvolvem dentro da normalidade. O plantio chega a 99% da área estimada, sendo que 88% está em germinação e desenvolvimento vegetativo, 11% em floração e 1% em enchimento de grãos.

OLERÍCOLAS

Na regional administrativa da Emater/RS-Ascar de Bagé, as condições climáticas condicionam a produção, especialmente na Fronteira Oeste. As altas temperaturas e a insolação demandam o uso de estruturas de proteção e o maior aporte de irrigação.

FRUTÍCOLAS

Na regional da Emater/RS-Ascar de Ijuí, a situação de déficit hídrico está comprometendo as culturas citrícolas. A falta de chuva tem acentuado o murchamento de folhas e aumentado a queda de frutos ainda em desenvolvimento. As culturas do melão e melancia seguem em colheita, com condição fitossanitária das plantas excelente e frutos saborosos. Inicia a maturação das uvas das variedades americanas.

PASTAGENS

A recorrente falta de chuvas no RS tem tornado crítica a situação das pastagens, principalmente em locais de solos mais rasos ou com textura arenosa, paralisando o crescimento dos campos nativos e das pastagens cultivadas. Muitas espécies forrageiras já não suportam mais o pastejo, e a redução na oferta de pastagens tem levado muitos produtores a aumentar o uso de silagem e feno ou a ajustar a lotação de animais a campo.

BOVINOCULTURA DE CORTE

Assim como ocorre com o desenvolvimento das pastagens, as condições dos rebanhos variam muito. Onde ocorreram precipitações e as forrageiras conseguiram ofertar alimentos, os rebanhos apresentam ganho de peso, principalmente os animais conduzidos em áreas de pastagens anuais de verão. Já onde a estiagem está restringindo o desenvolvimento das plantas, os bovinos vêm tendo dificuldades para manter o escore corporal.

BOVINOCULTURA DE LEITE

O baixo índice pluviométrico diminuiu a quantidade e a qualidade das pastagens e a capacidade de suporte forrageiro aos animais; porém, as matrizes que continuam recebendo suplementação vêm mantendo as condições corporais.

OVINOCULTURA

Os rebanhos seguem com bom estado corporal, mesmo com a menor disponibilidade de pastagens, pois a conformação mais baixa das espécies campestres favorece o consumo pelos ovinos. A falta de chuvas diminuiu a incidência de verminose e de problemas de casco.

Na maioria das propriedades, as matrizes e os reprodutores estão sendo preparados para a reprodução. Em algumas, como nas criações laneiras, os produtores já iniciaram a temporada de cobertura.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...