Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Divulgação/Força Voluntária
Cidade
Sobe para 105 o número de municípios gaúchos em emergência devido à estiagem
Água já é insuficiente em 6 mil propriedades, diz Emater. Erechim reúne entidades para analisar prejuízos e situação de emergência.
Rádio Guaíba/Redação AU
por  Rádio Guaíba/Redação AU
03/01/2022 21:05 – atualizado há 11 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

O número quase dobrou em cinco dias. Até agora, 105 prefeitos gaúchos já emitiram decretos de situação de emergência por falta de chuva, conforme o boletim mais recente da Defesa Civil estadual.  Outros oito gestores devem fazer o mesmo, já que encaminharam dados preliminares ao Sistema Integrado de Informações de Desastres. 

Em Erechim, a Secretaria Municipal de Agricultura, Defesa Civil, Emater e outras instituições ligadas a agricultura e segurança, se reúnem na manhã desta terça-feira(4) para avaliar os prejuízos, a assistência presencial ao setor agrícola e a possível decretação de Situação de Emergência.

Até esta segunda-feira(3), mais de 50% dos municípios da região da AMAU já haviam decretado situação de emergência em razão da seca. Algumas prefeituras, a exemplo de Erechim, estão transportando água para propriedades agrícolas com tanques alugados e instalados de forma provisória em caminhões.

O prefeito de Erechim, Paulo Polis, que também preside a AMAU manteve reunião virtual com a direção da FAMURS para discutir soluções coletivas para o socorro na área agrícola. 

As 113 cidades afetadas pela estiagem no Rio Grande do Sul correspondem a mais de 1/5 do total. Quinze delas já tiveram os decretos homologados pelo governo estadual e 11 tiveram a situação reconhecida pelo governo federal.

Das cerca de 400 mil propriedades rurais existentes em municípios gaúchos, cerca de 140 mil já relataram com algum problema relacionado à estiagem, sendo que, em 6 mil delas já há insuficiência de água para consumo humano e dos animais, segundo números apresentados pela Emater/RS-Ascar. O encontro, com as secretarias de Agricultura, Meio Ambiente e Obras, apontou a necessidade de antecipar a execução das verbas do Programa Avançar RS para o segmento, estipuladas em R$ 275,9 milhões, como uma das ações para reduzir os prejuízos causados pela falta de chuva à agropecuária.

A secretária da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Silvana Covatti, relembra que em torno de R$ 200 milhões da verba do Avançar Agricultura devem ser destinados à qualificação da irrigação, incluindo a perfuração de poços e açudes, entre outras ações.

Ao comentar os prejuízos da estiagem às culturas de grãos, o diretor técnico da Emater/RS, Alencar Rugeri, avaliou serem devastadores no milho e estarem avançando, na soja, à proporção de 1% a 2% por dia. Rugeri reconhece que na Metade Norte do Estado não vai haver o que colher em muitas lavouras de milho.

Na soja, o diretor técnico esclarece que ainda é difícil mensurar perdas, mas já observa alguma consolidação, uma vez que pelo menos 7% da área prevista para a oleaginosa no Rio Grande do Sul, de 6,1 milhões de hectares, deixou de ser plantada em função da ausência de umidade no solo.

Famurs convoca mobilização

O presidente da Famurs e prefeito de São Borja, Eduardo Bonotto, convocou todos os 497 prefeitos e prefeitas do Rio Grande do Sul para participarem de um debate que busque soluções rápidas para os municípios atingidos pela estiagem.

A reunião está marcada para a próxima segunda-feira, no auditório da federação, em Porto Alegre, a partir das 9h. A orientação é que os presidentes das associações regionais e entidades participem de forma presencial e os prefeitos de forma virtual.

Também foram convidadas entidades da agropecuária e autoridades.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...