Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Divulgação
Saúde
Marcelo Queiroga confirma chegada de doses da vacina infantil para 13 de janeiro
Em coletiva à imprensa, o ministro da Saúde também anunciou a liberação da vacinação contra a Covid-19 para o público infantil sem que a apresentação de prescrição médica seja obrigatória.
Correio do Povo
por  Correio do Povo
05/01/2022 18:51 – atualizado há 3 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

O Ministério da Saúde informou, nesta quarta-feira, que o primeiro voo com as doses adaptadas da vacina da Pfizer, destinada a crianças de 5 a 11 anos, chega ao Brasil em 13 de janeiro. O segundo voo chega no dia 20 e o terceiro, no dia 27. Cada um deles desembarca 1,248 milhão de doses.

A Saúde também estima que 3,7 milhões de crianças devam ser vacinadas contra a Covid-19 ainda em janeiro. Segundo a pasta, foram adquiridas mais de 20 milhões de doses da vacina da Pfizer, aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para o público infantil. O quantitativo deve ser todo entregue até o fim do primeiro trimestre.

Vacina sem prescrição obrigatória

“Quero me dirigir aos pais e mães dessa grande nação para dizer-lhes que todos aqueles que quiserem vacinar seus filhos o Ministério da Saúde vai garantir doses da vacina”, afirmou.

Ao contrário do que Queiroga havia anunciado, a pasta decidiu descartar a exigência de prescrição para que cada criança seja imunizada. O recuo do ministério em relação à obrigatoriedade veio após os resultados da consulta pública sobre a vacinação de crianças, feita no site da pasta entre 23 de dezembro e 2 de janeiro. A maioria das 99.309 pessoas que participaram do questionário se mostrou contrária à exigência da prescrição.

Ordem de vacinação

A secretária extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, Rosana Leite de Melo, explicou que as crianças de 5 a 11 anos só poderão ser vacinadas na presença de pais ou responsáveis e, na ausência desses, mediante a apresentação de um termo de assentimento. “A criança está em pleno desenvolvimento e o cuidado neste público tem que ser maior”, alegou.

De acordo com secretária, a vacinação das crianças vai seguir uma ordem de prioridade, como ocorreu no ano passado com os adultos, quando a imunização teve início no País.

Serão priorizadas as crianças de cinco a 11 anos com deficiência permanente ou com comorbidades; crianças indígenas e quilombolas e crianças que vivem com pessoas que possuem alto risco para Covid-19.

Em seguida, a vacinação deve ser ampliada para crianças sem comorbidades, seguindo uma ordem decrescente: 10 a 11 anos; oito a nove anos; seis a sete anos e cinco anos de idade.

Intervalo entre as doses

Quando a Anvisa aprovou o uso da vacina da Pfizer em crianças, a recomendação era de intervalo de três semanas entre as duas doses. Segundo a secretária, o Ministério decidiu ampliar esse período para possibilitar uma maior produção de anticorpos neutralizantes.

“Estudos em adultos demonstraram que em um intervalo maior que 3 semanas há maior produção de anticorpos neutralizantes. Temos um benefício maior. E se não estamos em um cenário onde haja necessidade premente de se completar esquema primário, é melhor que esse intervalo se amplie e não seja de 21 dias. Isso serve tanto para adultos como para crianças”, explicou Rosana.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...