Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Pixabay
Rio Grande do Sul
Modelo meteorológico americano indica calor de quase 50ºC no RS na próxima semana, Metsul explica
A Metsul publicou extensa análise da meteorologista que afirma que modelo não é previsão do tempo e que as projeções devem ser vistas com ceticismo e cautela.
MetSul/Rádio Guaíba
por  MetSul/Rádio Guaíba
07/01/2022 13:50 – atualizado há 2 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

O mês de janeiro mal começou e o Rio Grande do Sul pode registrar um cenário de calor inimaginável. Segundo informações da MetSul Meteorologia, o modelo meteorológico norte-americano GFS projeta “sucessivas saídas temperaturas de até 47ºC na área de Porto Alegre e máximas perto de 50ºC no Rio Grande do Sul, Centro da Argentina e no Uruguai no final da próxima semana”. Em caso de confirmação dos dados, esse pode ser um recorde estadual e nacional.

Modelo é uma ferramenta da previsão do tempo, com dado bruto, e não a previsão do tempo final, feita pelo meteorologista. A MetSul Meteorologia explica ainda que o modelo meteorológico representa um conjunto de projeções feitas por supercomputadores que fazem bilhões de cálculos a partir de equações matemáticas, realizadas a cada número de determinado de horas e a partir de observações meteorológicas do mundo inteiro de satélites, estações de superfície e da atmosfera por sondagens realizadas por balões.

Em outras ocasiões, por exemplo, meteorologistas do Brasil e do exterior observaram simulações indicarem cenários fora da realidade, como furacões simultâneos no Atlântico e nevascas nos Estados Unidos, fenômenos que nunca ocorreram. Apesar dos avanços e de ter provocado uma revolução na previsão do tempo, a tecnologia da modelagem numérica ainda é imperfeita.

De acordo com a MetSul Meteorologia, no caso do Rio Grande do Sul, a literatura sobre o assunto mostra que os modelos já exageraram ao antecipar altas temperaturas em áreas subtropicais na estação quente. As projeções de modelos para sete a 10 dias, no verão, são menos confiáveis que no inverno, uma vez que a atmosfera mais quente e instável favorece alterações mais frequentes e radicais de prognósticos do tempo. Dessa forma, o que um modelo aponta hoje para 15 de janeiro pode ser totalmente diferente do que vai indicar nos dias subsequentes para o mesmo período.

Há muitos modelos meteorológicos e que apresentam resultados distintos.  O modelo GFS, que vem projetando temperatura extraordinariamente alta em nível absurdo para a metade deste mês, é a sigla de Global Forecasting System e operado pela NOAA, a Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera, agência de previsão do tempo e do clima do governo dos Estados Unidos. "Por isso, quando fazemos uma previsão do tempo, não consideramos apenas um modelo em particular, mas todo um conjunto de dados".

Veja a matéria completa aqui

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...