Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cidade
Estado homologa situação de emergência em Aratiba
O prefeito Gilberto Luiz Hendges havia assinado o Decreto Municipal em 28 de dezembro de 2021.
Leonardo Bortolotto/Assessoria
por  Leonardo Bortolotto/Assessoria
07/01/2022 17:18 – atualizado há 11 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

Foi publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) nesta sexta-feira, 07 de janeiro, a portaria nº 31, que reconhece situação de emergência no município de Aratiba, em decorrência de estiagem.

O prefeito Gilberto Luiz Hendges, que havia assinado o Decreto Municipal em 28 de dezembro de 2021, recebeu com satisfação a decisão informada pelo Governo do Estado.

“O sentimento é de dever cumprido nas obrigações do município, através da Secretaria da Agricultura, Emater/Ascar e Defesa Civil”, afirmou o prefeito Gilberto.

A estiagem continua castigando fortemente o Estado do Rio Grande do Sul, e falta de chuva só aumentam o prejuízo e a angústia dos produtores. A cada dia que passa, a situação agrava.

Com a homologação pelo Governo do Estado, o município passa a ter acesso a uma série de benefícios relativos à ajuda humanitária, adequação em dotações orçamentárias na contratações de serviços terceirizados para amenização dos efeitos da estiagem, entre outras situações.

Conforme o Decreto Municipal, o levantamento técnico em parceria com a Emater aponta perdas superiores a R$ 60 milhões na agricultura.

De acordo com o secretário da Agricultura, Joarez Miechuanski, são transportadas em média 160 mil litros de água por dia para consumo animal e outros cerca de 65 mil litros para atender a demanda de consumo humano.

Nas lavouras, as maiores perdas estão no setor de milho grão com cerca de R$ 25 milhões (70%), milho silagem com mais de R$ 19 milhões (60%), soja com mais de R$ 4,9 milhões (30%), bovinocultura de leite com cerca de R$ 3,6 milhões (50%) e citricultura com R$ 3,1 milhões (40%) em prejuízos.

Setores como gado de corte e olericultura, com 60% cada, também registram perdas significativas. As autoridades aguardam ainda para calcular os impactos também na safrinha de feijão.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...