Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Economia
Mais de 900 servidores da União foram exonerados por corrupção nos últimos três anos
Dentre os outros motivos para demissão, está, por exemplo, abandono e inassiduidade. Dados relativos à corrupção são da Controladoria-Geral da União (CGU) .
R7
por  R7
08/01/2022 09:10 – atualizado há 46 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

Durante o governo do presidente Jair Bolsonaro, nos últimos três anos, 922 servidores foram exonerados por corrupção. O número representa 59,5% do total de funcionários públicos expulsos. Dentre os outros motivos para demissão, está, por exemplo, abandono e inassiduidade. A maior parte dos casos é no Ministério da Economia, com 431. Os dados são da Controladoria-Geral da União (CGU), extraídos do painel da pasta nessa sexta-feira.

A série histórica vai desde 2003, sendo que o ano com maior número de servidores da União exonerados por corrupção é 2018. Na época, a CGU promoveu a divulgação do levantamento, com entrevista coletiva do ministro da CGU, Wagner Rosário, que remeteu o alto número ao bom funcionamento dos mecanismos.

De lá para cá, os dados reduziram. Em 2019, foram 323 servidores expulsos; no ano seguinte, 343; e no ano passado, 256. Bolsonaro se elegeu com um discurso forte de anticorrupção, mas teve que lidar com alguns fatos que contradizem a narrativa, como o fim da Operação Lava Jato. Ao comentar o assunto específico em outras ocasiões, o presidente afirmou que acabou com ela "porque não tem mais corrupção no governo".

Cientista político e professor da Fundação Getulio Vargas (FGV) de São Paulo, Marco Antônio Carvalho Teixeira afirma que os dados de corrupção mostram que o governo Bolsonaro enfrenta os problemas que os outros conviveram. "É um governo que parece que não reconhece que manter ministros acusados de corrupção afeta o governo; que lida com um tema como se não fosse dele", avalia.

O professor cita o caso do secretário nacional de Justiça, Vicente Santini, que foi exonerado em janeiro de 2020 do cargo que ocupava como secretário-executivo da Casa Civil por ter usado um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para viajar à Índia, mas, em fevereiro do ano passado, foi nomeado para exercer o cargo de secretário-executivo da Secretaria-Geral da Presidência da República. Posteriormente, foi remanejado para chefiar a Secretaria Nacional de Justiça.

"O governo poderia usar o caso para mostrar como exemplo de que houve mal uso de dinheiro público, mas que o servidor foi punido. Mas o governo readmitiu o servidor e o realocou. Naquilo que o governo pode fazer o exemplo não foi dado", afirma.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...