Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde
1ª dose da vacina brasileira será aplicada nesta semana em Salvador
Aplicação faz parte do estudo clínico de fase 1 do imunizante RNA MCTI Cimatec HDT, produzido por brasileiros e americanos
R7
por  R7
10/01/2022 10:01 – atualizado há 9 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

O estudo clínico de fase 1 da vacina nacional contra a Covid-19 começará nesta semana, com a aplicação da primeira dose nesta quinta-feira (13) em Salvador (BA). O imunizante RNA MCTI CIMATEC HDT é baseado em uma tecnologia de RNA replicon autoamplificante, capaz de codificar a proteína spike do coronavírus causador da Covid-19.

A aplicação da primeira dose do imunizante faz parte do estudo clínico de fase 1 e será realizada na capital baiana, na sede do Senai-Cimatec (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial – Campus Integrado de Manufatura e Tecnologia), que conduz a pesquisa, desenvolvida em parceria com a HDT Bio Corp, RedeVírus MCTI e tem financiamento do MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações).

Nessa etapa, serão avaliadas a segurança, reatogenicidade e imunogenicidade da vacina contra o coronavírus. Segundo o governo, o imunizante possui nível tecnológico comparado aos imunizantes já utilizados no mundo, como as vacinas da Moderna e da Pfizer.

O evento contará com a presença do ministro Marcos Pontes (Ciência, Tecnologia e Inovações). "Dia 13 de janeiro vamos começar a aplicação dos testes clínicos com a vacina que o MCTI desenvolveu em parceria com o Cimatec. Essa é uma vacina feita por cientistas brasileiros em parceria com cientistas americanos, então é uma vacina muito importante para o desenvolvimento desse tipo de tecnologia, não só para a pandemia de Covid-19, mas também para outras pandemias. É importante o Brasil dominar essas tecnologias", afirmou Pontes ao R7.

Do início dos estudos com seres humanos podem participar pessoas com as seguintes características: ter entre 18 e 55 anos e não ter sido imunizado com a vacina da Covid-19 ou ter sido imunizado com até duas doses.

As fases 1 e 2 deverão contar com 360 pacientes cada uma, ao custo de R$ 30 milhões. Após a comprovação de eficácia e segurança, a fase 3 deverá contar com cerca de 20 mil pessoas – esta, por sua vez, ao custo de R$ 300 milhões.

O ministério comandado por Pontes investe, desde 2020, no desenvolvimento de 15 vacinas nacionais para o enfrentamento da pandemia no país e no mundo. Em 2021, a pasta destinou R$ 105 milhões ao financiamento de testes clínicos de fases 1 e 2 dos imunizantes brasileiros. Quatro imunizantes foram selecionados nessa etapa: além do RNA MCTI Cimatec HDT, as vacinas SpiNTec MCTI UFMG, Versamune MCTI e UFRJVac MCTI.

A declaração sobre a aplicação da primeira dose da vacina nacional foi dada por Pontes durante evento realizado no Planetário de Brasília neste domingo (9), data em que se comemora o Dia do Astronauta. O ministro é o único brasileiro a ir ao espaço e o primeiro astronauta e cosmonauta profissional a representar oficialmente um país do Hemisfério Sul no espaço.

AstraZeneca x Fiocruz

O imunizante citado por Pontes não é o mesmo aprovado pela Anvisa nesta semana, que concluiu o processo para que o país comece a distribuição da vacina AstraZeneca produzida 100% em território nacional. A novidade, nesse caso, é a aprovação do IFA (Insumo Farmacêutico Ativo) fabricado no Brasil pela própria Fiocruz.

Com a conclusão do processo, toda a produção da AstraZeneca será feita no país e não dependerá mais da importação do IFA internacional. A transferência de tecnologia começou a ser negociada em 2020 e foi formalizada em junho de 2021.

Pontes avalia a conclusão do processo da Anvisa para viabilizar a produção do imunizante no país como positiva. "É um ganho gigantesco para o Brasil", disse.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...