Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro
Ministra da Agricultura esteve em Santo Ângelo, para avaliar prejuízos da estiagem
Tereza Cristina, afirmou que veio ao Estado “não para trazer falsas esperanças, mas para ver o que é possível fazer pelo produtor”.
Rádio Guaiba
por  Rádio Guaiba
12/01/2022 15:19 – atualizado há 37 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, desembarcou no Aeroporto Regional de Santo Ângelo antes das 9h desta quarta-feira. Tereza Cristina chegou ao Estado acompanhada de equipe do governo federal para avaliar os efeitos da estiagem sobre a agropecuária do Rio Grande do do Sul, com perdas acima de 60% já estimadas para o milho e cerca de 25% para a soja. 

Logo depois do desembarque, a ministra seguiu para o distrito de Buriti, em torno de 18 quilômetros distante do centro do município, onde visitou a propriedade da Família Segatto. O empreendimento, de 50 hectares, deve ter prejuízo em quase totalidade dos 10 hectares plantados com milho, segundo informou o proprietário Dirceu Segatto à Rádio Sepé Tiaraju, de Santo Ângelo.

Tereza Cristina viu in loco degradação do milho em propriedade em Santo Ângelo | Foto: Eduardo Oliveira/Fetag/Divulgação

Tereza Cristina, afirmou que veio ao Estado “não para trazer falsas esperanças, mas para ver o que é possível fazer pelo produtor”. Segundo ela, o Brasil é um país de proporções continentais, com problemas graves na agropecuária no momento, de características diferentes da seca, como é o caso das inundações na Bahia e em Minas Gerais. A visita, disse, é para examinar ações de socorro antes que a situação piore.

“Precisamos pensar em soluções estruturantes”, refletiu a ministra, destacando que, especificamente em relação à estiagem, é preciso focar na distribuição de água, com a perfuração de poços e construção de açudes.

A ministra foi recebida à 11h no auditório da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai (URI), onde recebeu a pauta de reivindicações elaborada pelas entidades em conjunto com a Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) e a Famurs. 

Entidades entregam ofício à ministra e ressaltam importância do armazenamento de água

As principais entidades representantes da agropecuária no Rio Grande do Sul – Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Associação dos Produtores de Soja (Aprosoja/RS), Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag) ,Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) e Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado (FecoAgro/RS), entregaram para a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, na manhã desta quarta-feira, em Santo Ângelo, documento ressaltando as dificuldades que a estiagem vem trazendo ao setor. 

No ofício, as entidades reforçam que ” as enormes perdas de produção e econômicas poderiam ser minoradas, caso fosse possível fazer reservação de água no Estado”. Destacam que no Rio Grande do Sul chove mais que o suficiente ao longo do ano e há tecnologias adequadas para fazer a reservação, mas “falta bom senso, equilíbrio, e responsabilidade” ao serem colocadas filigranas jurídicas à frente da tragédia que é a seca para quem depende do campo em seu sustento. 

Foto: Eduardo Oliveira - Fetag

O documento, entregue pelos presidentes da Fetag, Carlos Joel da Silva; vice-presidente da Farsul, Elmar Konrad; vice-presidente da Aprosoja/RS, Irineu Hort; e presidente da FecoAgro/RS, Paulo Pires, pede empenho do governo federal nas seguintes questões:

1. Resolução do Banco Central votada pelo Conselho Monetário Nacional que autorize a reprogramação dos vencimentos de custeios agrícolas da safra de verão e pecuários, além das parcelas de investimentos ou renegociações anteriores vencidas ou vincendas entre 15/12/2021 e 30/06/2022 para 01/07/2022 para produtores que apresentarem Laudos Técnicos Agronômicos com perdas iguais ou superiores a 25% para lavouras de grãos e iguais ou superiores a 15% para atividades pecuárias, fruticultura e horticultura em decorrência da estiagem. 

2. Resolução do Banco Central votada pelo Conselho Monetário Nacional para regulamentar os artigos da Lei Federal 14.275/21, publicada no Diário Oficial da União no dia 24 de dezembro de 2021.

3. Levantamento de perdas in loco pela Conab a partir da segunda quinzena de janeiro, de modo que tais perdas sejam adequadamente mensuradas.



PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...