Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro
No RS, já são 209 municípios gaúchos em situação de emergência pela estiagem
Desde 6 de dezembro, 231 prefeituras relataram algum tipo de prejuízo
Rádio Guaiba
por  Rádio Guaiba
12/01/2022 21:56 – atualizado há 1 minuto
Continua depois da publicidadePublicidade

Chegou a 209, nesta quarta-feira, o número de cidades gaúchas pedindo socorro às autoridades em razão da estiagem. A sequência de meses sem chuva suficiente provoca perda bilionária para produtores de culturas como o milho e a soja e deixa centenas de comunidades rurais sem acesso a água potável. O grupo de cidades em situação de emergência equivale a 42% do total (497). Os decretos mais recentes vieram das prefeituras de Boa Vista do Buricá, Bossoroca, Farroupilha, Flores da Cunha, Maximiliano de Almeida e Nova Candelária.

Foto: Secretaria de Agricultura e Abastecimento de Flores da Cunha / Divulgação

Também aumentou para 47, nesta quarta, o número de municípios com decreto reconhecido pelo governo federal. Em nível estadual, 52 tiveram a documentação homologada pelo Palácio Piratini. Desde 6 de dezembro, 231 prefeituras relataram algum tipo de prejuízo em função da estiagem.

Na manhã desta quarta, entidades representativas da agropecuária no Rio Grande do Sul, como a Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), a Associação dos Produtores de Soja (Aprosoja/RS), a Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag), a Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) e a Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado (FecoAgro/RS), entregaram à ministra da Agricultura, Tereza Cristina, em Santo Ângelo, um documento ressaltando as dificuldades que a estiagem vem trazendo ao setor.

O ofício reforça que as perdas de produção e econômicas podem ser minoradas caso seja possível, no futuro, fazer reservação de água. As entidades dizem que, no Rio Grande do Sul, chove mais que o suficiente ao longo do ano e que, embora haja tecnologia para isso, “falta bom senso, equilíbrio e responsabilidade”. A mensagem também lamenta que “filigranas jurídicas” sejam colocadas “à frente da tragédia que é a seca para quem depende do campo em seu sustento”.

Ao visitar a propriedade da Família Segatto, no distrito de Buriti, em Santo Ângelo, onde chegou, pela manhã, para avaliar os efeitos da estiagem, a ministra afirmou que veio ao Rio Grande do Sul “não para trazer falsas esperanças, mas para ver o que é possível fazer pelo produtor”. Segundo ela, o Brasil é um país de proporções continentais, com problemas graves na agropecuária no momento, de características diferentes da seca, como as inundações na Bahia e em Minas Gerais. De acordo com ela, porém, a visita vai embasar ações de socorro “antes que a situação piore”.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...