Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Clima
Municípios do Alto Uruguai Catarinense contabilizam perdas de mais de R$ 145 milhões devido a estiagem
O maior prejuízo na estiagem até agora foi registrado em Concórdia.
Atual FM
por  Atual FM
19/01/2022 09:18 – atualizado há 3 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

Em 11 municípios do Alto Uruguai Catarinense a janela de perdas de novembro e dezembro na produção agrícola foi estimada em R$ 145,2 milhões. Os dados foram levantados de acordo com a metodologia da Epagri, segundo o gerente regional, o engenheiro agrônomo Rafael Presotto. Os dados informados pela Epagri, foram publicados nesta terça-feira (18) pela Rádio Atual FM

O documento da empresa é utilizado, entre outros, como base para que as prefeituras decretem situação de emergência.

O maior prejuízo na estiagem até agora foi registrado em Concórdia. Segundo a Epagri, R$ 57 milhões, e pelos dados do próprio município, R$ 63 milhões. O segundo, Xavantina – R$ 17 milhões. E o terceiro, Seara – R$ 12,9 milhões.

Divulgação Atual FM

As perdas nos demais municípios, ainda segundo a Epagri:

. Alto Bela Vista – R$ 9,1 milhões:
. Arabutã – R$ 7,9 milhões;
. Arvoredo – R$ 4,6 milhões;
. Ipumirim – R$ 5,5 milhões;
. Itá – R$ 5,5 milhões;
. Lindóia do Sul – R$ 11,5 milhões;
. Paial – R$ 3,6 milhões;
. Piratuba – R$ 8 milhões.

No relatório da Epagri falta o levantamento dos prejuízos nos municípios de Ipira, Irani, Peritiba e Presidente Castello Branco.

A Defesa Civil de Ipira estima perdas de R$ 12,8 milhões.

SEARA

O secretário de Agricultura de Seara, Renato Tumelero, observa que no relatório enviado à Defesa Civil não constam outras perdas, como na horticultura, fruticultura e demais culturas de subsistência. “O agravante é que ao longo dos últimos dois anos, Seara permaneceu e está sob condição adversa de situação de emergência em 22 meses”. O secretário acrescenta que “a janela da normalidade” de metade de setembro até a metade de novembro possibilitou a semeadura das lavouras de verão e posteriormente veio o agravamento do baixo volume de precipitação.

CONCÓRDIA


“As perdas são enormes e o pior, são cumulativos. Nos últimos anos vamos sofrendo com essa escassez hídrica”, comenta Mauro Martini, secretário de Desenvolvimento Agropecuário de Concórdia. Além da agricultura, lembra que na produção pecuária a dificuldade também é grande. As maiores quebras vão se registra no milho em grão e para silagem, pastagens e soja. (Por Clélio Ivo Dal Piaz /Belos FM)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
você pode gostar...