Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cidade
Na Justiça, Chapecoense diz que queda de avião foi benéfica para Alan Ruschel
Argumento tentava livrar o clube do pagamento de danos morais ao atleta
NSCTotal
por  NSCTotal
25/02/2022 19:43 – atualizado há 14 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

A Chapecoense afirmou à Justiça de Santa Catarina que a queda do avião que matou 71 pessoas em 2016 foi benéfica ao lateral Alan Ruschel, de 32 anos, sobrevivente da tragédia. O argumento tentava livrar o clube do pagamento de danos morais ao atleta. As informações são do site UOL.

No documento, enviado ao Judiciário em 24 de janeiro, a Chape cita que “o acidente deu notoriedade ao reclamante e alavancou seus ganhos, [e] sua imagem valorizou-se e passou a ter notoriedade mundial”.

Ruschel entrou na Justiça contra a Chapecoense em maio do ano passado pedindo o pagamento de R$ 3.381.105,40 referente a danos morais pelo acidente, contestação do seguro recebido e verbas trabalhistas, como salários atrasados e direitos de imagem.

Um dos pedidos é sobre a indenização pelo acidente com o voo da Chapecoense. O jogador contesta o valor recebido, inferior ao que foi pago às famílias de outras vítimas. Já o clube afirmou que “o reclamante não foi vítima de um acidente, pelo contrário, foi um sobrevivente, abençoado pela força divina e, dentre aqueles ligados ao futebol, o único que continua a desenvolver suas atividades identicamente ao período anterior ao mesmo”.

Também que a vida de Ruschel continuou normalmente após o acidente, inclusive com o lateral tendo se casado meses após a queda do avião. Completou apontando que o jogador sempre disse “não recordar de nada”.

O clube conclui que “nenhum trauma a princípio ficou”, avaliando que Alan nunca utilizou os serviços de psicologia e psiquiatria disponibilizados pelo clube. E, para a Chape, “não há indicativos de que alguma sequela tenha ficado”.

As partes realizaram uma audiência de conciliação neste mês de fevereiro, mas o clube não fez nenhuma proposta de acordo.

O que diz Alan?

Alan Ruschel se defendeu sobre o assunto nesta sexta-feira. O atleta disse que ficou revoltado com a defesa do clube no processo por danos morais e, que, acionou a Chapecoense na Justiça apenas após a agremiação não cumprir com o pagamento dos valores acordados.

“Eu tive acesso à defesa do clube, e eles alegam que eu não sou vítima do acidente e, sim, um sobrevivente. Afirmam que a tragédia me trouxe benefícios. Estão sendo levianos e despreparados na condução de um assunto tão importante. A minha vida precisava continuar, mas isso não tira responsabilidade do clube. Só eu sei os traumas que carrego comigo, o esforço, a luta para voltar a jogar. Hoje tenho oito parafusos nas costas, não quero me vitimizar, mas apenas para deixar essa situação clara. Afirmar que minha vida seguiu normal é um absurdo, não só comigo, mas também com os familiares das vítimas do acidente”, disse.

A Chapecoense disse que não vai se manifestar sobre o assunto. O site UOL apurou que um dos motivos é de que houve uma troca no departamento jurídico do clube e quem assumiu ainda não teve acesso aos processos envolvendo a equipe catarinense.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE