Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Política
Eduardo Leite renuncia ao governo do RS e anuncia permanência no PSDB
Leite é o primeiro governador desde Pedro Simon (MDB), em 1990, renunciar ao cargo faltando meses para o final do mandato.
O Sul
por  O Sul
28/03/2022 15:01 – atualizado há 55 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

Eduardo Leite (PSDB) renunciou ao cargo de governador do Rio Grande do Sul nesta segunda-feira.

A data, seis meses antes das eleições, é o prazo estabelecido pela legislação eleitoral para que um político deixe um posto no Executivo a fim de concorrer a outro cargo, além da reeleição. “Vou renunciar ao poder para não renunciar à política”, disse Leite em um vídeo apresentado antes do início da coletiva.

Com a renúncia de Leite, assume o comando do governo gaúcho o vice-governador Ranolfo Vieira Júnior, que acumula a função de secretário da Segurança Pública desde o início da gestão. Ranolfo é pré-candidato a governador pelo PSDB.

Leite é o primeiro governador desde Pedro Simon (MDB), em 1990, renunciar ao cargo faltando meses para o final do mandato. Na ocasião, Simon afastou-se para concorrer ao Senado.

PSDB


Eduardo Leite decidiu não aceitar o convite do presidente do PSD, Gilberto Kassab, para trocar de legenda.

O tucano foi convidado pelo dirigente para concorrer ao Palácio do Planalto pela sigla, mas resolveu ceder aos apelos dos colegas do PSDB, que fizeram diversos apelos para evitar a troca de partido. A decisão foi comunicada neste domingo (27), por Leite a Kassab em uma conversa por telefone.

Mesmo assim, Kassab afirmou que o PSD ainda vai ter candidatura própria à Presidência e descarta apoiar outro partido no primeiro turno. Ele evitou mencionar nomes, mas nas últimas semanas o ex-governador do Espírito Santo Paulo Hartung (PSD) era citado por Kassab como alternativa presidencial junto com Leite. “Vamos iniciar agora a discussão, assim como foi com o Rodrigo Pacheco, com Eduardo Leite”, disse.

É a segunda recusa que Kassab recebe para um convite de concorrer ao Planalto. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), era a opção anterior, mas decidiu não concorrer ao cargo e focar no comando da Casa Legislativa.

O governador do Rio Grande do Sul chegou a sinalizar que trocaria de partido. Mesmo os aliados que queriam evitar a saída reconheceram que Leite ficou seduzido pela proposta de Kassab.

A permanência do governador no PSDB foi articulada por caciques do partido, como o senador Tasso Jereissati (CE) e o deputado Aécio Neves (MG). Há duas semanas, diversos nomes expressivos do PSDB assinaram uma carta apelando para que o governador não fosse para o PSD.

Os tucanos aliados do gaúcho alertaram para os sinais dúbios que Kassab tem emitido, como os vários acenos ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e a falta de unidade dos membros da legenda, onde uma parte apoia o PT e outra apoia o presidente Jair Bolsonaro (PL).

Mesmo defendendo uma alternativa aos dois candidatos, o presidente do PSD já chegou a afirmar que apoiaria Lula caso o seu partido fique fora do segundo turno.

Leite perdeu as prévias presidenciais tucanas para o governador de São Paulo, João Doria, em novembro do ano passado, mas aliados do gaúcho ainda tentam fazer com que ele seja a opção do partido para concorrer a presidente. Mesmo com a prévia, o candidato presidencial tucano só será oficializado durante a convenção do partido, que vai acontecer entre julho e agosto.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE