Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Segurança
Polícia Federal combate esquema de câmbio ilegal e evasão de divisas na fronteira com o Uruguai
Somente no período entre 2018 e 2021, o grupo teria movimentado ao menos R$ 61 milhões
Gov BR
por  Gov BR
30/03/2022 14:30 – atualizado há 11 horas
Continua depois da publicidadePublicidade

A Polícia Federal deflagrou, nesta quarta-feira (30/3), a Operação Cisplatina II, destinada a investigar um núcleo de operadores financeiros especializado nas práticas de evasão de divisas, de câmbio ilegal e de lavagem de dinheiro. O núcleo investigado tem estreita vinculação com os investigados na primeira fase da operação (em SET/2020).

Policiais federais cumprem sete mandados de busca e apreensão, além do bloqueio de contas bancárias e apreensão de veículos, no Município de Santana do Livramento. As medidas foram expedidas pela 7ª Vara Criminal da Justiça Federal em Porto Alegre.

Divulgação PF

O grupo criminoso investigado é radicado na fronteira do Brasil (Santana do Livramento) com o Uruguai (Rivera) e é responsável por uma longeva atividade no mercado financeiro paralelo. Os alvos da operação estão vinculados ao grupo que já foi alvo de investigação pela Polícia Federal. Demonstrou-se que, apesar da atuação da Polícia Federal em 2020, parcela dos operadores manteve-se em atividade, inclusive absorvendo o trabalho que era desenvolvido pelo grupo que foi preso.

A investigação demonstra que, desde 2013, os investigados atuam no recebimento de valores e na posterior remessa ao exterior. O mapeamento das atividades indica que o grupo recebeu, aproximadamente, 140 milhões de pessoas e empresas de todo o país, interessadas no envio desses valores ao Uruguai. Somente no período entre 2018 e 2021, o grupo movimentou ao menos R$ 61 milhões.

A Polícia Federal mantém-se firme no combate a crimes contra o Sistema Financeiro Nacional cometidos na região da fronteira, em Santana do Livramento. O enfoque dado se deve ao grande volume de dinheiro que circula paralelamente na região da fronteira com o Uruguai.

Atuando em face de operadores do mercado paralelo de câmbio, a Polícia Federal acaba atingindo o fluxo financeiro de grande parte dos crimes transnacionais cometidos por intermédio da fronteira. O monitoramento econômico das atividades criminosas deixa evidente que, a cada operação que focaliza o mercado paralelo de câmbio, delitos como o tráfico de drogas e de armas, o contrabando e o descaminho são fortemente impactados financeiramente.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE