Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Segurança
Policiais federais entram em estado de mobilização permanente no RS
Categoria está insatisfeita e reivindica reestruturação da carreira e correção das perdas salariais.
Rádio Guaíba
por  Rádio Guaíba
21/04/2022 17:40 – atualizado há 1 mês
Continua depois da publicidadePublicidade

Os servidores da Polícia Federal do Rio Grande do Sul decidiram, em assembleia geral online, deflagrar um estado de mobilização permanente, e podem a qualquer momento redefinir os rumos do movimento, com medidas mais drásticas em defesa da categoria. A assembleia geral também aprovou a realização de um ato de protesto no próximo dia 28 deste mês.

Segundo o presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Rio Grande do Sul (Sinpef/RS), Julio Cesar Santos, existe uma insatisfação muito grande entre os policiais federais, que cobram a promessa de que R$ 1,7 bilhão do Orçamento da União seriam investidos na reestruturação da carreira, com correção das perdas salariais acumuladas nos últimos anos.

“O governo foi eleito com a promessa de que valorizaria os profissionais de segurança pública, área essa tão utilizada em especial pelo próprio presidente em suas propagandas com a apresentação dos recordes alcançados. Entretanto, foi incapaz de promover qualquer modificação estrutural ou a reestruturação da carreira desses servidores”, manifesta uma nota pública divulgada nesta segunda-feira por todas as entidades de classe que compõem o sistema sindical das forças policiais da União.

No RS

Já a Ugeirm Sindicato, que representa os policiais civis gaúchos, criticou os 6% de correção salarial proposto pelo Governo do Estado. “É muito pouco”, resumiu o vice-presidente da entidade de classe, Fábio Castro. “O governo tem que valorizar os policiais”, frisou, defendendo ainda o chamamento de concursados. “Estamos fazendo toda uma luta na Assembleia Legislativa. Esse índice sequer cobre a inflação do período”, destacou, lembrando que outras pautas da categoria precisam ser discutidas com o governo.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE