Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde
Primeiro chamado para doação de órgãos dentro do Sistema de Transplantes completa 25 anos no RS
A lei federal 9434/97, que regulamentou o Sistema Nacional de Transplantes e a Central Estadual de Transplantes está completando 25 anos no próximo domingo (1º).
O Sul
por  O Sul
29/04/2022 20:19 – atualizado há 21 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

A lei federal 9434/97, que regulamentou o Sistema Nacional de Transplantes e a Central Estadual de Transplantes completa 25 anos no próximo domingo (1º).

Para marcar esta data, a enfermeira Heloisa Foernges, que estava presente no primeiro atendimento feito pela central depois da promulgação da lei – que trouxe critérios de normatização e regulação aos procedimentos na área de transplantes –, conta como no Rio Grande do Sul a central acompanhou a legislação e também passou a funcionar conforme o sistema.

Heloisa relembra que “no dia 1º de maio de 1997, às 8h, o telefone tocou. Era a médica Luciana Leornadelli do Hospital Pompéia, de Caxias do Sul, avisando que havia um doador de rins”.

Até então, a distribuição era efetuada por meio de uma escala de hospitais transplantadores que ficava a cargo dos médicos plantonistas e a escolha do receptor era feita com um protocolo bem básico: tipo sanguíneo, idade, condições clínicas do doador e uma autorização dos familiares.

Heloisa também conta que “na época só se fazia transplante de rim, só mais tarde que foram entrando os outros órgãos, como fígado, coração e pulmão”.

Transporte de órgãos realizado por via aérea no Rio Grande do Sul – Foto: Arquivo/SES-RS

De acordo com ela, os protocolos também evoluíram com exames mais específicos. “Fazíamos a entrevista com os familiares nos hospitais de Porto Alegre e viajávamos com as equipes para retirada de órgãos quando o hospital doador não tinha cirurgiões disponíveis para tal e trazíamos os órgãos para a Capital. Era um trabalho árduo mas muito gratificante” enfatiza a enfermeira.

Atualmente o sistema funciona de forma informatizada, em lista única, com exames que comprovam a compatibilidade entre doador e receptor. Para dar conta da demanda por transplantes, as famílias de potenciais doadores devem ser sensibilizadas pelas equipes hospitalares para a efetivação da doação para salvar vidas.

Saiba mais: https://saude.rs.gov.br/transplantes

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE