Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Segurança
Atentado em creche de Saudades completa um ano nesta quarta-feira (04)
Na manhã do dia quatro de maio, Fabiano Kipper Mai, hoje com 19 anos, tirou a vida de cinco pessoas, entre elas, três bebês.
Oeste Mais
por  Oeste Mais
04/05/2022 15:05 – atualizado há 46 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

Um pequeno município do Oeste catarinense hoje leva muito mais significado no nome do que um ano atrás. Saudades, com pouco mais de 9,8 mil habitantes, transmite um sentimento de ausência, tristeza e, literalmente, saudade.

Foto: Willian Almeida/ND Mais

Há exatamente um ano, Saudades ficou conhecida por uma tragédia que assolou a região. Na manhã do dia quatro de maio de 2021, em uma creche localizada no bairro Industrial, Fabiano Kipper Mai, hoje com 19 anos, tirou a vida de cinco pessoas, entre elas, três crianças pequenas que não tinham condições alguma de defesa. As outras duas vítimas eram profissionais, que cumpriam horário de trabalho no local e não conseguiram se defender da adaga usava pelo jovem.

Uma das vítimas de Fabiano foi a professora Keli Adriane Aniecevski, de 31 anos. Junto com Keli, morreram também a agente educacional Mirla Renner, de 20 anos, Sarah Luiza Mahle Sehn, de 1 ano e 7 meses, Anna Bela Fernandes de Barros, de 1 ano e 8, e Murilo Massing, de 1 ano e 9 meses.

Keli, Mirla, Sarah, Murilo e Anna Bela tiveram a vida interrompida brutalmente (Foto: Divulgação/Oeste Mais)

Um sobrevivente

O menino Henryque Hubler, hoje com dois anos de idade, foi uma vítima sobrevivente da tragédia. Ele foi socorrido por uma professora que mora ao lado da creche, e levado ao hospital do município com ferimentos graves pelo corpo.

A criança foi atingida na bochecha, no lábio, barriga, e também teve uma perfuração em um dos pulmões. Por conta do grave quadro clínico, Henryque foi transferido ao Hospital da Criança, de Chapecó, ficando internado por seis dias. Ao retornar para casa, o menino foi aplaudido e recebido com festa, com direito a música, orações e decoração para as "boas-vindas".

Cidade ainda enlutada

Na manhã desta quarta-feira, dia 4, moradores da cidade e familiares fizeram um momento de oração em frente ao portão de acesso à creche Pró-Infância Aquarela. Eles também soltaram cinco balões brancos que representavam as vítimas da tragédia.

A escola infantil passou por uma reforma durante os últimos meses. A sala onde ocorreu o atentado foi toda modificada e transformada em parque infantil e, a fachada, recebeu uma pintura nova.

Foto: Andrielli Zambonin/NSC TV

Autor ainda não foi julgado

Depois de um ano da chacina que realizou na creche em Saudades, Fabiano Kipper não foi julgado. Ele é denunciado pelo Ministério Público por 19 crimes de homicídio, entre consumados e tentados, que ocorreu no dia 4 de maio do ano passado. 

O laudo pericial oficial, realizado pelo Instituto Geral de Perícias (IGP), concluiu que Fabiano é acometido por transtorno psicótico denominado "esquizofrenia do tipo indiferenciada", mas, na época em que ocorreu o crime, era imputável, pois os sintomas da doença não afetaram sua capacidade de entendimento e determinação para cometer a crueldade.

Ocorre que foram juntados aos autos dois outros exames de sanidade mental do jovem, com conclusões distintas. Um deles, realizado a pedido da defesa por um psiquiatra forense de São Paulo, diagnosticou "esquizofrenia paranoide em comorbidade com dependência de jogo pela internet", o que aponta para sua inimputabilidade, fator que o impediria de ter que enfrentar o Tribunal do Júri.

Outro, elaborado sob encomenda do Ministério Público, ainda que sustente um possível diagnóstico de "síndrome deficitária (possível retardo mental leve) atrelado a um transtorno de personalidade", garante que o rapaz pode sim ser julgado.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE