Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cidade
Equipe da Patram de Capão da Canoa resgata pinguim no Litoral Norte gaúcho
O pinguim se encontrava na beira-mar de Xangri-Lá e foi encaminhado ao Ceclimar para atendimento veterinário.
O Sul
por  O Sul
19/06/2022 18:58 – atualizado há 1 minuto
Continua depois da publicidadePublicidade

Um pinguim foi resgatado na beira-mar de Xangri-Lá, no Litoral Norte, por uma equipe da Patram de Capão da Canoa, que realizou o salvamento do animal marinho na orla marítima. O pinguim se encontrava próximo à guarita 91, segundo o portal Litoralmania, e foi encaminhado ao Ceclimar para atendimento veterinário. O salvamento foi na última quarta-feira (15).

Reprodução

O Brasil já começou a receber os primeiros pinguins da espécie pinguim-de-magalhães (Spheniscus magellanicus), oriundos das Ilhas Malvinas, da Argentina e do Chile que anualmente migram para a costa brasileira, em temporada que tende a se estender de junho a outubro.

O pico da temporada ocorre, normalmente, entre julho e agosto. O coordenador do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) na área SC/PR, biólogo marinho André Barreto, explica que os pinguins vêm, em geral, das colônias de reprodução na Argentina, em águas mais frias e, nesta época do ano, começam a se espalhar em busca de alimento.

“E parte da população acaba chegando aqui, no Brasil. Por isso a gente acaba tendo mais animais nas regiões do Sul. Alguns alcançam o Rio de Janeiro e a gente tem registro até mais no Nordeste, na Bahia. Mas é mais raro. O mais comum é no Rio Grande do Sul e Santa Catarina ter mais animais”, disse.

Barreto explicou que os pinguins-de-magalhães costumam fazer colônias na América do Sul, principalmente na costa da Patagônia, onde tem as maiores colônias, e se espalham no Atlântico Sul. Essa espécie não vive no gelo, como o pinguim imperador e o pinguim real. “Esse é um pinguim que vive em terra. As colônias dele são nas praias da América do Sul mesmo”.

Os animais que chegam à costa brasileira vêm debilitados, em sua grande maioria, ou mortos até, porque o canal de distribuição deles é mais a Argentina e o Uruguai. “Então, os que chegam aqui estão no limite da distribuição deles. Não estão encontrando mais os alimentos usuais deles. Tendem a chegar mais fracos”. O biólogo marinho lamentou apenas 10% dos animais resgatados pelo PMP são encontrados vivos. Os pinguins vão sendo devolvidos ao mar de acordo com o estado de saúde de cada um.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE