Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Divulgação
Economia
Senado aprova MP que amplia margem de empréstimo consignado
Modalidade é concedida a pessoas com salário, aposentadoria ou pensão creditados em conta corrente; texto vai à sanção de Bolsonaro.
Agência Brasil
por  Agência Brasil
07/07/2022 19:54 – atualizado há 1 minuto
Continua depois da publicidadePublicidade

O Senado Federal aprovou, nesta quinta-feira, a Medida Provisória 1.106/2022, que eleva de 35% para 40% o limite para aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) contratarem crédito consignado com base no valor do benefício. A modalidade é concedida a pessoas com salário, aposentadoria ou pensão creditados em conta corrente. Por prever desconto direto na folha de pagamento ou da aposentadoria do cliente, essa é uma opção de empréstimo fácil, com uma das menores taxas do mercado.

A medida provisória autoriza essa modalidade, de crédito consignado, também aos beneficiários do Renda Mensal Vitalícia (RMC), Auxílio Brasil e do Benefício de Prestação Continuada (BPC). O texto segue para sanção do presidente Jair Bolsonaro.

De acordo com a proposta, fica definida em 40% a margem consignável de empregados celetistas, servidores públicos ativos e inativos, empregados públicos, pensionistas e militares. Já aposentados do Regime Geral de Previdência (RGPS) terão a margem ampliada dos atuais 40% para 45% – mesmo valor a quem recebe BPC ou RMV.

Os beneficiários do Auxílio Brasil, programa de transferência de renda que substituiu o Bolsa Família, terão margem consignável de 40%. A proposta havia sido aprovada pela Câmara dos Deputados no último dia 29.

Recorde

O volume do crédito consignado bateu recorde em 2021 e atingiu R$ 513,5 bilhões contratados em dezembro. De acordo com dados do Banco Central, é o maior valor já registrado nessa modalidade de empréstimo.

O saldo total de dezembro cresceu 14% comparado ao mesmo período de 2020, quando havia sido de R$ 439 bilhões. Nos últimos 12 meses, o aumento acumulado chegou a 17%, em um total de R$ 5,7 trilhões, coincidindo com o período da segunda onda da pandemia de Covid-19.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE