Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Divulgação
Saúde

As mulheres têm um infarto e não vão para o hospital porque acham que é cansaço

A diretora de Saúde do Coração da Mulher no National Heart Center, de Cingapura, destaca a falta de conscientização das pessoas sobre doenças cardiovasculares

Redação O Sul
por  Redação O Sul
22/05/2023 15:03 – atualizado há 10 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

Doença cardiovascular “não é sexy”, lamenta a cardiologista Carolyn Lam. Não está na moda, não se fala. Apesar de ser a primeira causa de morte no mundo, tanto em homens quanto em mulheres, a população não costuma monitorar ou verificar a pressão arterial ou o nível de açúcar no sangue, variáveis ​​que podem influenciar o risco cardiovascular, alerta a especialista.

Lam, que é diretora de Saúde do Coração da Mulher no National Heart Center de Cingapura, destaca a falta de conscientização sobre essas doenças, principalmente entre as mulheres: a cardiologista explica que muitas vezes acontece de elas nem identificarem com precisão e agilidade os sintomas de uma ataque cardíaco, em ocasiões que não sejam homens. Além da dor no peito, que pode ou não ter, as mulheres também sofrem de dor no pescoço ou aperto na mandíbula.

1. Tendemos a associar mais as doenças cardiovasculares aos homens. Sim, e devemos mudar isso. É também uma doença das mulheres. Uma em cada três mulheres morre de doença cardíaca e derrame, assim como um em cada três homens. É a principal causa de morte em homens e mulheres, mas continuamos a ignorá-los e isso deve mudar.

2. A comunidade científica está bem ciente das diferenças entre sexo e gênero neste tipo de doença? Não sabemos tudo, mas sabemos muito mais do que antes. E quando você diz sexo e gênero, está exatamente certo. Sexo é sexo biológico, hormônios. E gênero é nosso papel social. E ambos desempenham um papel nas diferenças nas doenças cardíacas. Primeiro, havia um equívoco de longa data de que as mulheres estão protegidas contra doenças cardíacas por causa do estrogênio, nossos hormônios sexuais. Isso foi pensado porque nas faixas etárias mais jovens, os homens têm mais doenças cardíacas, mas à medida que avançamos, as mulheres mais velhas, especialmente após a menopausa, também sofrem de doenças cardíacas e podem realmente superar os homens. Então, se olharmos apenas para mulheres e homens mais jovens, temos uma ideia errada. Aprendemos, mas com base em suposições.

3. Os sintomas não são os mesmos? Nossos sintomas podem ser muito diferentes. Os homens geralmente sentem dor no peito. As mulheres também podem ter dor no peito, mas com mais frequência do que os homens, não é dor no peito, mas dor ou aperto na mandíbula. Muitos pacientes pensam que é realmente uma dor de dente ou dizem que estão cansados. Ou sentem a dor no estômago ou nas costas e racionalizam e ao invés de dizer: “Ah, tem alguma coisa errada”, dizem: “Está muito quente”, “comi demais”, “estou estressado”. , os homens sentem dor no peito e dizem: “Ah, é o coração”, e vão ao médico.

É um problema de educação, então? Ao se depararem com a dor, haverá um viés e eles serão informados de que é ansiedade ou algum problema de saúde mental.

Sim, esse é o problema. Os homens chegam ao consultório e dizem: “Tenho dor no peito. Por favor, verifique meu coração.” A mulher vai chegar e falar: “desculpa incomodar, acho que estou estressada porque meu filho tem exame ou blablabla…” e pedem desculpas, não dizem que é de coração.

4. A comunidade científica conhece essas diferenças de gênero há muito tempo. Alguma coisa mudou nos últimos anos? Sim, acho que melhorou muito. Foi feita uma tentativa de conscientizar as mulheres sobre nosso próprio risco. Então tudo bem. Mas outra coisa que impediu o progresso é que não temos mulheres suficientes em ensaios clínicos. Elas não se priorizam. Às vezes é muito difícil conseguir que as mulheres participem dos experimentos, então elas sempre estão sub-representadas. E nossos primeiros testes foram apenas em homens: os estudos com camundongos foram em camundongos machos porque eles não queriam complicações com a gravidez ou o que quer que fosse, então eles nem estudaram camundongos fêmeas. Como podemos continuar assim, excluindo sistematicamente as mulheres? Agora as coisas melhoraram e temos ensaios sobre insuficiência cardíaca em que há 40% ou 50% de mulheres.

5. Qual é a consequência desse tipo de desigualdade? Por ser mulher, tenho mais chances de morrer do que meu parceiro, por exemplo? Sim. Nossos dados ainda mostram que, com um ataque cardíaco, uma mulher tem um risco maior de morrer do que um homem. E uma mulher continua a receber menos terapias invasivas. E muitos dos medicamentos que temos, eles são menos propensos a receber do que os homens. Existem muitas razões. Por exemplo, uma mulher que sofre um ataque cardíaco pode ter uma doença nos pequenos vasos, não nos grandes. E com o pequeno vaso você não pode colocar stent e às vezes essas doenças de pequenos vasos também passam despercebidas e são subtratadas. Outro motivo é que as mulheres que sofrem infarto podem ser mais velhas que os homens e isso pode explicar muitas coisas, como ter mais hipertensão, diabetes…

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE