Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Rio Grande do Sul

Chuva que chega ao RS nesta terça traz risco de novos transbordamentos de rios

A chuva atinge grande parte do Estado no decorrer do dia e pode chover forte em pontos da Metade Sul gaúcha.

Rádio Guaíba/MetSul
por  Rádio Guaíba/MetSul
17/06/2024 19:29 – atualizado há 39 segundos
Continua depois da publicidadePublicidade

O Rio Grande do Sul terá mais um dia de muitas nuvens e chuva na maioria das regiões nesta terça-feira, 18. A chuva atinge grande parte do Estado no decorrer do dia e pode chover forte em pontos da Metade Sul gaúcha.

O dia faz parte de um longo período de instabilidade que deve persistir até o domingo, antes da melhora na segunda com o ingresso de uma massa de ar frio. Na segunda metade da semana, a instabilidade será menor e os dias vão alternar sol, nuvens e chuva com elevação da temperatura, em especial no sábado.

As chuvas pelo Estado nesta terça-feira

As precipitações serão mais fortes no começo do dia no Norte e no Nordeste do estado. Entre a tarde e a noite, formam-se novas áreas de instabilidade com risco de chuva forte isolada. A despeito da instabilidade, o tempo deve melhorar ao longo do dia em diversas localidades.

Novas áreas de instabilidade se formavam e modelos numéricos indicavam chuva forte a intensa para a segunda à noite e o começo desta terça-feira em pontos do Noroeste, Médio e Alto Uruguai, Alto Jacuí, Planalto Médio, Norte da Serra e Campos de Cima da Serra.

Ou seja, mais chuva em nascentes e nas bacias dos rios Jacuí, Taquari e Caí, que no fim de semana receberam volumes excessivos de precipitação. 

Risco de mais transbordamentos

Mais chuva significa mais problemas. Os níveis dos rios seguem muito altos e alguns se encontram fora da calha. Ainda na segunda-feira, rios de resposta mais rápida, como o Caí e o Taquari, inundaram áreas nos vales. No final da tarde, o Taquari em Estrela estava em 23,8 metros e subia com tendência de gradual e menor elevação. A cota, entretanto, estava bem abaixo dos 33 metros da enchente de maio. Já o Caí estabilizou à tarde em 14,66 metros em São Sebastião do Caí. Em maio, o Caí chegou a passar de 18 metros.

AGEU KEHRWALD/MetSul

Rios de resposta mais lenta continuarão a subir gradualmente com a vazão vinda a partir das nascentes, casos do Jacuí, Sinos e Gravataí, mas, tal como o Taquari e o Caí, não se aproximarão dos picos de maio.

O mesmo ocorre com o Guaíba, em Porto Alegre, que começou uma trajetória de alta e estava em 2,20 metros às 17h desta segunda-feira, no cais. Subirá mais, superando a cota de alerta de 2,50 metros no Cais Mauá e se aproximando ou batendo a cota de transbordamento de 3,00 metros. O assoreamento enorme gerado pela enchente de maio é uma variável que torna difícil prever o nível do Guaíba.

A instabilidade não deixa o Estado tão cedo porque a frente semi-estacionária atua no território gaúcho. O sistema não avança porque está bloqueado pelo ar seco e quente no Centro do Brasil que, nesta segunda-feira, registrou temperaturas de 35ºC no Centro-Oeste e  até 33ºC no litoral de São Paulo e no Rio de Janeiro.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE