AGRICULTURA

  • 24/12/2015 (05:52:56)

  • Julio Mocellin

  • Repórter: Fonte: Rádio Guaíba

  • Fotógrafo: Secom/Piratini

AGRICULTURA GAÚCHA

Agricultura estima redução da safra gaúcha em dois milhões de toneladas em 2016

Excesso de chuvas impactou diretamente na produção de culturas como a do arroz

A safra de grãos 2015/16 no Rio Grande do Sul deve encolher até dois milhões de toneladas em comparação com o ciclo passado, totalizando 30 milhões. A projeção de safra foi divulgada pelo secretário estadual da Agricultura, Ernani Polo, em entrevista coletiva na tarde de hoje, na sede da Pasta, em Porto Alegre. Na safra 14/15, o Estado gaúcho colheu quase 32 milhões de toneladas de grãos (15,7 mi/t de soja, 5,6 mi/t de milho, 8,7 mi/t de arroz e mais 1,6 mi/t de trigo).

Em função do excesso de chuvas, porém, diversos produtores tiveram de retardar ou realizar novo plantio, o que impactou diretamente na produção, frisou o secretário. “É uma estimativa que leva em consideração fatores como a redução significativa do trigo. Tivemos ainda uma pequena redução na área de plantio de arroz e dificuldades de investimentos em tecnologia pelo alto custo de produção nas lavouras”, ponderou. Polo salienta que as projeções podem ser superadas caso as condições climáticas sejam favoráveis.

Ernani Polo considerou positivo o primeiro ano de mandato à frente da Pasta da Agricultura e destacou que cerca de 40% do PIB gaúcho é proveniente do setor primário.

Plano Safra
O secretário também informou que mais de R$ 1,117 bilhão em crédito já foram disponibilizados aos produtores gaúchos por meio do Plano Safra.

Expointer
Sobre a Expointer 2015, Ernani Polo destacou que o maior evento do agronegócio gaúcho fechou o ano com superávit de mais de R$ 1,5 milhão, que serão investidos em outras melhorias no Parque de Exposições Assis Brasil. Já o PPCI definitivo do Parque deve estar finalizado até junho, projetou Polo.

Mormo
Conforme a Pasta da Agricultura, 33 casos de mormo, em 20 focos, foram confirmados em equinos do Estado em 2015. Pelo menos oito animais ainda não foram sacrificados por meio de amparo judicial. Mesmo assim, Polo considerou como administrável e sob controle a doença no Rio Grande do Sul, uma vez, que já foram realizados mais de 60 mil testes no rebanho equino.