ECONOMIA

  • 15/03/2019 (17:20:04)

  • Repórter: AGência Brasil

Governo arrecada R$ 2,377 bilhões

Leilão de aeroportos mostra que país "voltou ao jogo", diz ministro

Dois grupos estrangeiros e um consórcio vencem o leilão de 12 aeroportos Foi o primeiro grande teste do governo Bolsonaro na área de concessão de infraestrutura. Também foi testado com sucesso o modelo de venda em bloco.

Os grupos estrangeiros Aena e Zurich e o consórcio brasileiro Aeroeste venceram o leilão realizado nesta sexta-feira (15) e vão administrar 12 aeroportos brasileiros localizados nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste pelos próximos 30 anos. Eles terão de investir R$ 3,5 bilhões ao longo do tempo em melhorias de infraestrutura externa e interna e pagar à União R$ 2,377 bilhões à vista em outorga.Foi o primeiro grande teste do governo Bolsonaro na área de concessão de infraestrutura.  

Leilão

Em um certame marcado por muitas ofertas, a disputa maior concentrou-se no bloco do Nordeste entre o grupo espanhol Aena Desarrollo Internacional e o suíço Zurich Aiport. Os espanhóis saíram na frente, com oferta de R$ 1,850 bilhão. Perto do fim do leilão, o grupo suíço ofereceu R$ 1,851 bilhão pelo bloco. O lance foi coberto logo em seguida pela Aena, que ofereceu R$ 1,900 bilhão, e levou o bloco.

O investimento inicial no bloco é de R$ 788 milhões, montante que precisa ser aportado nos primeiros cinco anos. A previsão é que, ao longo da duração do contrato, o investimento chegue a R$ 2,153 bilhões. De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), os aeroportos do Nordeste devem ter neste ano uma movimentação de 13,2 milhões de passageiros, volume que deve chegar a 41 milhões por ano em 2049.

O Bloco Centro-Oeste foi vendido para Consórcio Aeroeste, que ofereceu R$ 40 milhões pelos quatro terminais, um ágio de 4.739%. Segundo a Anac, a movimentação em 2019 deve chegar a 3,2 milhões de passageiros. Em 2049, a expectativa é de 9,1 milhões de passageiros. O investimento obrigatório nos primeiros cinco anos é de R$ 386,7 milhões, com expectativa de que chegue a R$ 711 milhões durante toda a concessão.

Já o Bloco Sudeste, formado pelos terminais de Macaé, no Rio de Janeiro, e de Vitória, no Espírito Santo, ficou com a Zurich Aiport que ofertou R$ 437 milhões, ágio de 830,15%. Este ano, a movimentação dos dois aeroportos deve ser de 3,3 milhões de passageiros, chegando a 8,2 milhões em 2049. O investimento inicial no bloco é de R$ 302 milhões, montante que deve ser aportado em até cinco anos. No total, o investimento estimado é de R$ 592 milhões.