BRASIL

  • 06/04/2019 (13:48:50)

  • Portal G1

PARÁ

Parte de ponte na Alça Viária cai após colisão de uma balsa

Corpo de Bombeiros faz busca por desaparecidos

Parte de ponte sobre o rio Moju caiu na madrugada deste sábado (6). Segundo o Governo do Estado, dois veículos que passavam na via no momento da colisão caíram. Corpo de Bombeiros não informou quantas pessoas estão desaparecidas.

O Corpo de Bombeiros iniciou por volta das 7h da manhã deste sábado (6) as buscas por desaparecidos na queda da terceira ponte da Alça Viária, sobre o rio Moju, próximo à entrada do município de Acará, no nordeste do Pará, que fica a cerca de 60 km de Belém. De acordo com o governo, o rompimento ocorreu devido a uma balsa, que transportava rejeitos de dendê, colidir com um dos pilares da ponte, que é a terceira da Alça Viária, no quilômetro 48 da rodovia estadual PA-483. Com a batida, quatro pilares caíram. Segundo o governo, dois veículos que passavam na via no momento da colisão caíram, mas o Corpo de Bombeiros não informou qual é o número de desaparecidos. Segundo moradores, o condutor da balsa foi socorrido. A polícia tenta localizá-lo.

No local, além do Corpo de Bombeiros, estão homens da Defesa Civil, Polícia Civil e peritos do IML. Uma equipe da Capitania dos Portos da Amazônia Oriental também está no local do acidente e vai instaurar um inquérito para apurar as causas do acidente.

O governador do estado, Helder Barbalho, e o Secretário de Segurança Pública do Pará, Ualame Machado, estiveram no local e sobrevoaram a área nas primeiras horas da manhã.

A ponte atingida, com 800 metros de extensão e 23 metros de altura, é a terceira no sentido de saída de Belém. Segundo o governo, ela sofreu avarias por constantes choques de embarcações e estava em reparos há cerca de dois meses.

A Procuradoria Geral do Estado (PGE) vai acionar judicialmente a empresa proprietária da balsa que colidiu com a ponte. Os bombeiros não encontraram os documentos ou certificados da balsa.Órgãos de segurança pública se reuniram na manhã deste sábado (6) em Belém para discutir ações para acelerar o resgate de vítimas do acidente.

"Estamos desde as 7h com mergulhadores dos bombeiros para buscar identificar informações sobre os dois veículos particulares que caíram. Desde o início do ano, quando tivemos acesso a imagens do estado deteriorado da ponte, constatamos que não havia qualquer comprometimento com a sua estrutura e nós iniciamos uma obra de recomposição das bases da ponte, por precaução e prevenção, portanto ela estava absolutamente apta para utilização. Lamentavelmente, esse sinistro causou um grande impacto, nós tivemos um comprometimento significativo da ponte, no total de 860 metros, 200m vieram abaixo o que necessitará de investimentos de R$ 100 milhões que possam permitir com o que, no prazo estimado de um ano, a ponte volte a atividade.", disse o governador Helder Barbalho.