ECONOMIA

  • 04/01/2014 (12:29:01)

  • Julio Mocellin

  • Repórter: Fonte: Gazeta do Povo

NO PARANÁ

Polícia Rodoviária retém avião Boeing na BR-376

Um Boeing 737-200 que pertenceu à antiga Vasp está retido em um posto de combustível na BR-376, em Tibagi, região dos Campos Gerais, após a Polícia Rodoviária Federal (PRF) constatar irregularidades na documentação para o transporte da aeronave

Um Boeing 737-200 que pertenceu à antiga Vasp está retido em um posto de combustível na BR-376, em Tibagi, região dos Campos Gerais, após a Polícia Rodoviária Federal (PRF) constatar irregularidades na documentação para o transporte da aeronave.

Segundo o chefe operacional da PRF, Elton Jose Scremin, para transitar naquele trecho é necessária uma autorização especial do Departamento Estadual de Rodagem (DER), já que a rodovia, apesar de ser federal, está sob domínio do Paraná.

O documento é exigido porque a carga tem mais de 30 metros de comprimento. A empresa que faz o transporte possui autorização apenas para transitar nas estradas federais. “Como estava sem essa autorização, o veículo foi retido até que o documento seja providenciado”, diz Scremin. A documentação já foi solicitada e a viagem deve prosseguir na próxima segunda-feira (6).

A aeronave de 107 lugares e que fez seu último voo em 2006 foi arrematada por R$ 175 mil em leilão judicial pelo empresário Eloy Biazus, sócio da empresa de Taxi Aéreo Helisul. O avião, que internamente está praticamente intacto, estava estacionado no aeroporto Juscelino Kubitschek, em Brasília, e será levado para a fazenda do empresário, na cidade de Itapejara D’Oeste, no Sudoeste, onde ele pretende restaurar e deixar em exposição em uma espécie de museu. Outras duas aeronaves foram arrematadas por Biazus.

O avião deixou Brasília na madrugada do dia 20 de dezembro e, cinco dias depois, o transporte foi interrompido em São José do Rio Preto (SP), também por problemas burocráticos. O documento especial para o transporte emitido pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) possuía erros de informação. Após regularizar a situação, o avião continuou a ser transportado até ser barrado novamente no Paraná.

A fuselagem da aeronave está sendo transportada em dois caminhões. Um deles leva as asas que foram desmontadas e o corpo do avião segue em outro veículo. No total, são cerca de 1.700 quilômetros que serão percorridos numa viagem que só deve terminar no final de janeiro.

Leilão

O leilão judicial que ocorreu em setembro vendeu 17 sucatas da Vasp que estavam espalhados em oito aeroportos do Brasil. O valor arrecadado será usado para pagar credores da massa falida da antiga companhia. Para a realização do leilão, todos eles foram vistoriados e classificados pela Anac como não aeronavegáveis.