CIDADE

  • 14/05/2019 (11:08:32)

  • Da Redação

Cras de Charrua

Projetos desenvolvidos pelo Cras beneficiam a comunidade de Charrua

Com o desenvolvimento de projetos destinados ao atendimento sociassistencial, abrangendo e integrando crianças, adolescentes, adultos e idosos, o Centro de Referência de Assistência Social (Cras) de Charrua, oferece a comunidade atividades educativas, lúdicas, recreativas e artesanais, orientações para o bem-estar físico e emocional, troca de vivências, discussões sobre diferentes temas, entre outras ações. 

 “O foco é na prevenção de doenças, fortalecimento de vínculos comunitários e ampliação do acesso aos direitos de cidadania, que melhoram, significativamente, a qualidade de vida da população charruense”, afirma a secretária municipal da Saúde e Assistência Social, Nilva Rebelatto.

Atualmente, a equipe do Cras é formada por uma coordenadora, duas assistentes sociais, uma psicóloga, uma instrutora de atividades artesanais e uma educadora física, que desenvolvem os seguintes projetos:

- Ballet: projeto com crianças de 5 a 7 anos, discernindo orientações ao bem estar físico e emocional da criança, além da melhoria da coordenação motora, criatividade e musicalidade do indivíduo e também oferece orientações de profissionais da psicologia e assistência social. A atividade se desenvolve toda a terça-feira, pela parte da manhã, na sede do Cras.

- Projeto “Cirandar”: projeto que atende as turmas do maternal I e II e visa intervir no âmbito social, psicológico e fonoaudiológico, proporcionando momentos de troca de experiência com as crianças, para avaliar as potencialidades e dificuldades das mesmas para então realizar encaminhamentos necessários para melhoria da qualidade de vida dos pequenos. O projeto ocorre toda a quarta-feira, pela parte da tarde, Escola Municipal de Educação Infantil Dentinho de Leite. 

- Projeto “Conviver”: projeto com pessoas portadoras de necessidades especiais e/ou transtorno de personalidade, onde são trabalhadas diversas atividades lúdicas. A proposta inclui também o trabalho com os familiares. O grupo ocorre toda a terça-feira, pela parte da tarde, na sede do Cras.

- Projeto “Criatividade”: projeto com mulheres das comunidades do município, onde são ofertados espaços para trocas de vivências que fortalecem a interação em comunidade, além de oficinas com atividades lúdicas, recreativas, artesanais e culinárias. A ação acontece toda a quarta-feira, pela parte da tarde, nas comunidades dos município.

- Projeto “Divertidamente”: projeto com meninas entre 9 e 15 anos, onde se desenvolvem atividades culinárias, artesanais, físicas, lúdicas e recreativas, além de orientações psicológicas referentes à adolescência e convivência familiar. O projeto ocorre toda a quarta-feira, pela parte da tarde, na sede do Cras.

- Projeto “Fyn Fyn”: projeto com crianças e adolescentes indígenas entre 6 e 17 anos. São desenvolvidas atividades lúdicas, recreativas, dinâmicas, conscientização socioambiental, discussões de temas de interesse dos participantes, técnicas de artesanato, entre outros trabalhos. O grupo acontece toda a terça-feira, pela parte da manhã, na Escola Indígena de Ensino Médio Fág Mág, na Reserva Indígena do Ligeiro.

- Projeto “Roda da leitura”: projeto abrange alunos de jardim e pré-escola, de 3 a 5 anos, e busca desenvolver o gosto pela leitura nas crianças em fase de alfabetização, proporcionado momentos lúdicos e de aprendizado, os quais possibilitem trabalhar diferentes temas. O projeto acontece toda quinta-feira, pela parte da tarde, na Escola Municipal de Ensino Fundamental Osvaldo Cruz.

- Projeto “Socialização”: projeto atende crianças de 4 a 9 anos, onde propõe o atendimento grupal para pais e alunos, com orientações de profissionais da psicologia, fonoaudiologia, fisioterapia e assistência social. A ação acontece toda a quarta-feira, pela parte da manhã, na Unidade Básica de Saúde (UBS) da Cidade Alta.

- Grupo da Terceira Idade “Caminhar é Viver Bem”: atividades físicas, de integração e sociabilização com idosos do município. As atividades são desenvolvidas na terça-feira, pela parte da tarde, no Salão Paroquial, na Cidade Baixa.

 De acordo com a secretária, mais de 350 pessoas participam dos projetos, todos oferecidos gratuitamente. “Os grupos estão abertos para quem queira participar, basta procurar o Cras e inscrever-se”, explica. A titular, também, destaca que algumas atividades são promovidas com o auxílio da equipe multidisciplinar da Unidade Básica de Saúde (UBS) da Cidade Alta. 

 “A proposta é ampliar os projetos para mais pessoas, oportunizando conhecimentos diversificados para a comunidade de Charrua”, finaliza Nilva.