POLÍTICA

  • 03/07/2019 (00:53:24)

  • Da Redação

  • Repórter: Luiz Vassallo / Estadão

Deputada questiona Ministro

‘O senhor tem contas no exterior?’, pergunta Gleisi a Moro, que responde: ‘Não sou eu o investigado por corrupção”

Deputada presidente nacional do PT indagou do ministro da Justiça se ele 'já fez viagem ao exterior acompanhado do advogado Zucolotto'

A deputada Gleisi Hoffmann (PT/PR), presidente nacional do seu partido, questionou o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, nesta terça, 2, sobre suas relações com o advogado trabalhista Carlos Zucolotto, a quem o doleiro Tacla Duran, denunciado na Lava Jato, atribui supostos diálogos para intermediar sua delação.

“Sua esposa teve escritório com Carlos Zucolotto? Sim ou não? O senhor ou a esposa tiveram ou têm conta no exterior? O senhor já fez viagem ao exterior acompanhado do advogado Zucolotto? Ele já fez pagamentos em favor do senhor nessas viagens?”, indagou a petista, na audiência da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara em que o ministro é ouvido sobre diálogos a ele atribuídos com procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato e divulgados pelo site The Intercept.

Ela foi incisiva. “Não é verdade que o senhor sempre age corretamente. Temos algumas ações judiciais que já caçaram ações suas.”

“Em relação às contas no exterior, isso é maluquice”, afirmou Moro, que disse ‘repudiar’ a pergunta sobre Zucolotto. “Não sou eu que sou investigado por corrupção”.

Gleisi é um dos parlamentares alvo da Lava Jato que compareceram à Comissão de Constituição e Justiça para questionar o ex-juiz da maior operação já deflagrada no país contra a corrupção.

A petista responde a denúncia por supostas propinas da Odebrecht, em sua campanha do governo do Paraná em 2014.

Seu marqueteiro de campanha admitiu ter ido a reuniões na empreiteira sobre o financiamento da candidatura da petista. No prédio da agência de publicidade, um entregador do doleiro usado pela construtora deixou sua foto registrada na portaria.

Gleisi nega a acusação, com veemência.

Rodrigo Tacla Duran é acusado de intermediar propinas para o MDB e para o suposto operador do PSDB, Paulo Vieira de Souza.