CIDADE

  • 08/07/2019 (10:52:04)

  • Da Redação

  • Repórter: Informações GloboEsporte​

Acidente aéreo na Colômbia

Chapecoense sofre a primeira condenação trabalhista por acidente aéreo na Colômbia

É a primeira vez que o clube é penalizado em ações trabalhistas, já que em outros casos conseguiu acordo com os familiares.

A Quarta Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT/RJ) manteve a condenação de indenização que a Chapecoense deve pagar aos pais do atacante Tiago da Rocha Vieira, o “Tiaguinho”, uma das 71 vítimas fatais do acidente aéreo de novembro de 2016, na Colômbia.

O valor é de R$ 130 mil. É a primeira vez que o clube é penalizado em ações trabalhistas, já que em outros casos conseguiu acordo com os familiares. Ainda cabe recurso da decisão, mas o Verdão tenta o acordo. A decisão foi divulgada pelo TRT/RJ na quinta-feira (4).

O Tribunal manteve a sentença da 1ª Vara do Trabalho de Nova Friburgo (RJ). Com isso, a Chape foi condenada a pagar R$ 80 mil para o pai e R$ 50 mil para a mãe de Tiaguinho – ela também receberá pensão mensal vitalícia.

O clube alviverde protocolou recurso sobre a decisão, que vai para o Tribunal Superior do Trabalho, mas mantém, paralelamente, conversa para realização de um acordo legal com os familiares do atleta. A Chapecoense está confiante que conseguirá um entendimento, assim como em outros casos.

Em maio do ano passado, o Verdão chegou a um acordo para o pagamento de indenização aos pais de Dener, lateral-esquerdo também morto na tragédia aérea. Nos demais casos, o clube mantém o sigilo de informações sobre valores.

Ao todo, 54 ações foram demandadas. Metade são trabalhistas e feitas por familiares de ex-jogadores e funcionários. As outras 27 são cíveis, propostas por parentes de vítimas que não possuíam contrato de trabalho com a equipe, como diretores, jornalistas e convidados.