SAÚDE

  • 10/07/2019 (17:07:54)

  • Repórter: Assessoria/PMG

  • Fotógrafo: Divulgação

De olho na depressão

​ O resgate do equilíbrio emocional através da arteterapia

Lídia Cervinski Adamcy está sentindo resultados positivos e indica as atividades para todos que desejarem

Lídia Cervinski Adamcy,

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a depressão afeta cerca de 340 milhões de pessoas e causa 850 mil suicídios por ano em todo o mundo. No Brasil, são cerca de 13 milhões de depressivos. Nenhuma pessoa está livre de sofrer este terrível mal. 

Ela pode afetar crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos de toda e qualquer condição social. As pessoas perdem o brilho, não conseguem se livrar dos problemas, não vêem solução e os casos mais graves, apontam para o suicídio por não terem motivos para continuar vivendo.

“A arteterapia entra nesse universo, possibilitando a ampliação dos horizontes dos pacientes, estimula o crescimento interior, a consciência do sujeito sobre si mesmo e sobre suas possibilidades, permite a manifestação dos sentimentos, contribuindo para uma melhora na qualidade de vida, na autoestima, e os pacientes se sentem fortes para enfrentar as situações”, afirma a Redutora de Danos, que atua junto às políticas de saúde mental do município do Gaurama, Sandra Muller.

Lídia Cervinski Adamcy, 42 anos, é um exemplo desses resultados positivos. Após 10 anos trabalhando no pesado, enfrentou problemas de saúde e a demissão, que lhe abalaram física e psicologicamente. “Eu tinha uma rotina completamente ativa. Não tinha final de semana, mal conseguia dar atenção à minha família e de repente, tive que fazer uma cirurgia, tinha muita dor e fui demitida. Me senti sem utilidade nenhuma”, relata.

A mudança da situação emocional abalada em que se encontrava, começou a mudar, quando, a convite da Sandra e do Terapêuta Holístico, Eloir Griseli, passou a frequentar o grupo "Juntos Somos Mais", e as outras atividades, como caminhadas que são realizadas no campo do Ipiranga e por rotas na cidade, que são diferentes do seu cotidiano.

“Fiz minha estrela da felicidade, a gente conversa, se integra, troca experiências, dá risadas e essa convivência me fez perceber que posso desempenhar outras funções. Que sou útil e que tenho capacidade de aprender a fazer outras coisas. Também passei a perceber melhor o mundo ao meu redor. Passei a curtir as minhas conquistas. Saí do piloto automático e dessa forma, até o meu clima familiar melhorou. Tudo está melhor à minha volta”, conta.

Lídia diz também que às vezes, dá uma certa recaída, porém, encontra forças nas atividades realizadas em grupos, na energia boa que a Sandra passa para as pessoas. “O fato de termos alguém com quem contar e nos auxiliar a conhecer coisas novas, já devolve o ânimo. Espero em breve poder voltar a trabalhar, mas sei que no pesado, não conseguirei mais, mas também, me sinto apta a aprender e a desenvolver novas atividades. Se eu tiver a oportunidade, irei agarrar logo”, enfatiza.

Para ela, essas atividades que são proporcionadas pelo Governo Municipal, foram fundamentais para o sucesso do seu tratamento.  “Tem pessoas que até concluíram o tratamento com medicação e estão melhorando sua qualidade de vida através desses momentos que eu acho fundamentais. Indico esses programas a todas as pessoas, já que, senti os efeitos positivos. Até minha filha se mostrou interessada em aprender novas técnicas. Posso afirmar que fui resgatada”, afirma.

Os encontros do grupo “Juntos somos Mais”, acontecem todas as segundas-feiras, das 13:00 às 17:00 horas, no Centro de Convivência. A atividade é gratuita. Atende toda a população que desejar e ainda os pacientes que são indicados pelas psicólogas que fazem parte do Sistema Único de Saúde (SUS) de Gaurama.