SEGURANÇA

  • 16/07/2019 (10:51:40)

  • Repórter: Rádio Guaíba

  • Fotógrafo: Divulgação/PC/RS

Agora são quatro policiais mortos em confrontos no RS em 15 dias

Policial civil é morto durante confronto com bandidos em Montenegro

​ Além da vítima fatal, um segundo policial foi ferido com um tiro no rosto. Policial morto em Montenegro foi atingido por tiro de espingarda que atravessou porta de casa. Delegados suspeitam que criminoso, que morreu no confronto, pensou que policiais fossem seus inimigos e não agentes da lei

Um policial civil foi morto na manhã desta terça-feira, 16, durante operação contra o abigeato em Montenegro, no Vale do Caí. Edler Gomes dos Santos, de 54 anos, integrava o setor de combate a crimes de lavagem de dinheiro do Denarc. Além de Edler, um segundo policial foi ferido com um tiro no rosto.

Durante o confronto, um bandido também foi baleado e morreu. Na operação, estão sendo cumpridos 84 mandados de busca e apreensão em 37 municípios, em praticamente todas as regiões do RS.

Esta é a quarta morte de um agente policial em menos de três semanas no Rio Grande do Sul. O último caso ocorreu na quarta-feira da semana passada, quando o soldado da Brigada Militar Gustavo de Azevedo Barbosa Júnior, de 26 anos, foi mortos a tiros durante operação na zona Sul de Porto Alegre.

A Polícia Civil gaúcha divulgou uma nota lamentando o ocorrido:


“A Polícia Civil do Estado do Rio Grande do Sul manifesta seu mais profundo pesar pelo falecimento do escrivão de polícia Edler Gomes dos Santos.

Edler faleceu nesta manhã, 16 de julho de 2019, durante cumprimento do seu dever como policial e defensor da sociedade, enquanto cumpria ordem judicial durante operação policial em Montenegro. O policial civil foi alvejado com disparo de arma de fogo durante a ação.

Edler, 54 anos, se formou em 2010 e estava lotado na Delegacia de Lavagem de Dinheiro do Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc).

A Polícia Civil se solidariza com a dor dos familiares, policiais e amigos, diante desta perda irreparável.

Nadine Farias Anflor
Chefe de Polícia”