SAÚDE

  • 31/07/2019 (14:53:38)

  • Correio do Povo

  • Fotógrafo: Canstochphoto

ALEITAMENTO MATERNO

Campanha que incentiva a amamentação começa nesta quinta em todo o País


A amamentação é capaz de reduzir em 13% a mortalidade infantil por causas evitáveis em crianças menores de cinco anos, afirma o Ministério da Saúde, que abre nesta quinta-feira a Semana de Incentivo à Amamentação. A iniciativa ocorre em 170 países. No Brasil, a pasta lançou na sede da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), a campanha de incentivo ao aleitamento materno até os dois anos de idade e uma série de ações para estimular a prática. O goleiro da seleção brasileiro, Alisson Becker e sua esposa, a médica Natália Loewe, são os rostos da campanha, que será veiculada de 1º a 15 de agosto.

Durante o evento, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, resumiu todas as ações da pasta para incentivar o aleitamento materno, que ele considera um dos pilares da saúde básica, junto com a vacinação. Conforme a pasta, o aleitamento materno protege a criança de doenças como diarreia, infecções respiratórias e alergias. Além disso, reduz o risco de a criança desenvolver hipertensão, colesterol alto, diabetes, sobrepeso e obesidade na vida adulta.

"Estamos investindo quase R$ 3,5 milhões nessa campanha nos diferentes meios de comunicação. Estamos aumentando o número de hospitais amigos da criança, estamos abrindo parceria com rede privada, para que eles façam salas de amamentação", informou Mandetta.

O Brasil possui 228 Salas de Apoio à Amamentação em todo o país credenciadas pelo Ministério. Segundo Mandetta, as taxas de aleitamento materno nos municípios serão levadas em conta para o pagamento dos profissionais do programa Médicos pelo Brasil, que será lançado oficialmente amanhã pelo ministério, em Brasília."Quando tivermos a discussão sobre pagamento da saúde básica, a amamentação será um dos pilares, afirmou o ministro.

Além desta campanha, o Ministério da Saúde anunciou que vai habilitar 39 unidades de saúde como hospitais Amigo da Criança.

Isso significa que a pasta vai repassar a esses locais um total de R$ 11 milhões por ano para ajudá-los nas práticas que já adotam de incentivo à amamentação dentro e fora das unidades de saúde. Entre as ações para expandir a prática do aleitamento materno, a pasta da Saúde também pretende retomar levantamentos sobre amamentação para saber como ocorre o ato em todo o Brasil. Segundo o ministro Luiz Henrique Mandetta, a última pesquisa do gênero foi realizada em 2008.