AGRICULTURA

  • 01/09/2019 (22:36:05)

  • Repórter: Assessoria/Emater

NA EXPOINTER

Instalada a Frente Parlamentar do Etanol Gaúcho

35 parlamentares do Rio Grande do Sul vão começar trabalhar a implantação do Projeto Pró-Etanol Gaúcho

A  Frente Parlamentar Pró-Etanol do Rio Grande do Sul,  foi instalada na semana que passou, durante a realização da Expointer e começa trabalhar com o apoio de 35 parlamentares.  Ela será presidida pelo Deputado Estadual Elton Weber e terá como primeira tarefa entregar ao Governador para tramitação, o PL – Projeto de Lei, cuja redação já foi referendada pela Comissão da Agricultura da ALRS, GT – Grupo de Trabalho Pró-Etanol, entidades parceiras e pelas regiões com projetos em andamento.

O evento contou com a presença de parlamentares estaduais e federais, do Projeto Pró-Etanol/RS Engº Agrº Valdir Zonin, este evento foi mais um importante passo rumo à construção de uma política pública de estado para incentivar a produção própria de etanol, já que atualmente consumimos 1,5 bilhões de litros por ano, e importamos 99,7% desta quantia. Avançamos também, após 3 reuniões com a Secretaria Estadual da Fazenda, na questão dos incentivos fiscais, onde o programa terá em torno de 50% de redução do ICMS para a produção de etanol, e sendo uma política de estado, dará mais garantias aos investidores.

Das sete regiões com projetos em andamento, uma delas é o Alto Uruguai, com o Projeto Viadutos que prevê a implantação de uma Biorrefinaria de porte médio, a partir do momento em que a lei estiver sancionada, cuja previsão é o final deste ano. Nossa região esteve representada pelo Prefeito de Viadutos Claiton Brum, Secretário Peracchi, Vereador Pires, Pastor Mânica e Dr. Nazzari. As outras regiões com projetos em andamento são: Camaquã, Campo Novo, Carazinho, Palmeira das Missões, Porto Xavier e Santiago.

A concretização deste programa deverá incrementar significativamente o desenvolvimento agrícola das regiões, principalmente com a ocupação de áreas ociosas de inverno com plantios de triticale, trigo e cevada, bem como no aproveitamento de áreas de “safrinha” de sorgo granífero. Já nas áreas de pequenas propriedades, o plantio e colheita mecanizada das batatas energéticas também poderá ser uma boa opção.

Eventualmente o milho também poderá ser utilizado. Os empreendimentos, a exemplo dos do Mato Grosso, além de gerarem muitos postos de trabalho, renda e desenvolvimento, produzem além do etanol, outros coprodutos como os farelos de alta qualidade para ração animal, o CO2, óleos e energia elétrica através das caldeiras movidas com insumos florestais.

.