ECONOMIA

  • 06/09/2019 (13:36:04)

  • Repórter: Assessoria/ABDI

AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL

Forças Armadas vestirão uniformes inteligentes

O programa prevê duas etapas. A primeira tem o objetivo de criar soluções tecnológicas voltadas para os tecidos. A segunda etapa será a incorporação dos gadgets eletrônicos aos uniformes.

As tropas das Forças Armadas brasileiras passarão a vestir uniformes inteligentes. Para oferecer o lote piloto das fardas, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) publicou nesta sexta-feira (06.09) a chamada para participar da licitação que ocorrerá no dia 23 de setembro.

“Soldados de várias partes do mundo adotam nas vestimentas soluções tecnológicas avançadas. Em pouco tempo, Exército, Marinha e Aeronáutica do nosso país também terão condições de atuar em operações militares e especiais munidos de roupas com funcionalidades físico-químicas, que vão garantir maior capacidade de ação”, explica Larissa Querino, responsável pelo projeto na ABDI.
 
A licitação será na modalidade de concorrência do tipo menor preço e voltada para as empresas do setor têxtil, com comprovada experiência dos serviços que são objeto da contratação.

O programa Uniformes Inteligentes é uma iniciativa da ABDI e recebe o apoio do Exército, que já desenvolve o Projeto Combatente Brasileiro (COBRA). No início de 2019, foi criada uma força tarefa contando com a participação do Ministério da Defesa (MD), Exército, Marinha e Aeronáutica, IMBEL (Indústria de Material Bélico do Exército), Ministério da Economia (ME), Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABITI) e SENAI.
 
O programa prevê duas etapas. A primeira tem o objetivo de criar soluções tecnológicas voltadas para os tecidos. A segunda etapa será a incorporação dos gadgets eletrônicos aos uniformes. O objetivo é estabelecer uma ponte entre as demandas do Exército Brasileiro e as respostas oferecidas pelo setor privado, promovendo o complexo industrial de defesa.

Como é uniforme inteligente

A vestimenta conta com sensores, painéis solares, bateria de longa duração carregada pelos próprios painéis e sensor de gases tóxicos, além de fazer o controle da comunicação com uma central.

A roupa ainda faz o monitoramento da saúde de quem a está usando. "Todas as informações coletadas pela roupa ficam disponíveis em um visor localizado na altura do pulso e são também enviadas para o quartel".

A vestimenta conta com sensores, painéis solares, bateria de longa duração carregada pelos próprios painéis e sensor de gases tóxicos, além de fazer o controle da comunicação com uma central.

A roupa também faz o monitoramento da saúde de quem a está usando. Todas as informações coletadas pela roupa ficam disponíveis em um visor localizado na altura do pulso e são também enviadas para o quartel, explica.

A inovação nos materiais usados para a produção dos tecidos  também conta com aplicações proteções contra raios UVA e UVB, sendo ainda antimicrobianos e repelentes à água e óleo. A vestimenta também suporta dispositivos tecnológicos como RFID, relógio inteligente e placa solar. Nas etiquetas é possível adicionar qualquer tipo de informação, como o tipo sanguíneo do militar.