EDUCAÇÃO

  • 13/09/2019 (14:33:57)

  • ASSCOM URI Erechim

  • Fotógrafo: Divulgação URI

INTEGRAÇÃO E APRENDIZAGEM

Ciências Biológicas da URI promove formação sobre agroecologia no Haydée

A Escola está participando do projeto-piloto de implementação do Novo Ensino Médio na região e as atividades estão vinculadas ao Projeto de Hortas Urbanas, que está sendo desenvolvido pelos professores da área de Ciências da Natureza.

Iniciativa envolveu estudantes do Ensino Médio


        O Curso de Ciências Biológicas da URI desenvolveu na quinta-feira, 12, atividades sobre hortas urbanas agroecológicas com os estudantes do 2º e 3º anos do Ensino Médio do Colégio Estadual Haydée Tedesco Reali, de Erechim. A Escola está participando do projeto-piloto de implementação do Novo Ensino Médio na região e as atividades estão vinculadas ao Projeto de Hortas Urbanas, que está sendo desenvolvido pelos professores da área de Ciências da Natureza. 

        O trabalho iniciou com a realização de uma palestra com a professora Sônia Zakrzevski e, em seguida, os estudantes, em grupos, participaram de um circuito de sete oficinas: plantas alimentícias não convencionais – PANC; compostagem doméstica: uma alternativa para a destinação de resíduos orgânicos; minhocultura; biofertilizantes; bioinseticidas; alelopatia - plantas companheiras; e microrganismos eficientes. No final, produziram pequenos documentários sobre as aprendizagens realizadas, com o intuito de socializar o conhecimento construído.


Iniciativa abriu com palestra da professora Sônia Zakrzevski


        Segundo Liane Lewinski, acadêmica do Curso de Ciências Biológicas e integrante do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) da CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) do MEC, “o trabalho busca fortalecer o protagonismo juvenil, por meio da produção de alimentos saudáveis, em hortas urbanas”. E acrescenta: “Cada vez mais precisamos valorizar a produção de alimentos em sistemas que promovam o uso sustentável dos recursos naturais, que não façam uso de contaminantes, que protejam a biodiversidade e que respeitem e aperfeiçoem os saberes e formas de produção tradicionais”.


Ação promoveu sete oficinas sobre hortas urbanas


        Andrieli Sadovski Majewski, também estudante do Curso e Bolsista de Pesquisa CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) do Laboratório  de Educação Ambiental, afirma que “é de grande importância estimular as famílias ao cultivo doméstico de alimentos orgânicos. Uma horta, mesmo que pequena, no pátio das casas ou em vasos pendurados em muros ou apoiados em sacadas, garante, a baixo custo, quantidade razoável de alimentos in natura, seguros, nutritivos e muito saborosos”.

        O grupo que desenvolveu o trabalho compreende que quanto mais pessoas buscarem por alimentos orgânicos maior será o apoio que os produtores da agroecologia familiar receberão e mais próximos estaremos de um sistema alimentar socialmente e ambientalmente sustentável.


Alunos também produziram pequenos documentários sobre as aprendizagens realizadas