POLÍTICA

  • 14/09/2019 (12:08:37)

ELEIÇÕES 2022

O que impressionou Eduardo Leite na viagem a Singapura ao lado de Luciano Huck

No país asiático, governador buscou inspiração para mudanças na educação, diz publicação da Rádio Gaúcha.

Na imersão em gestão pública da qual participou em Singapura, depois de breve passagem pelos Estados Unidos, o governador Eduardo Leite ficou particularmente impressionado com as inovações na área de educação.

— Os professores, depois de selecionados, vão para uma academia para serem formados durante nove meses, antes de  entrar na sala de aula  — contou Leite à coluna, durante o voo de Singapura para Doha, em um Airbus A350 da Qatar Airways.

A academia funciona como a última etapa do concurso, com possibilidade de reprovação.
— Achei interessante, porque é o que fazemos com nossas polícias, por exemplo. Os professores nós contratamos e jogamos na sala de aula direto.

Na passagem por Singapura, o governador conheceu a escola de formação de professores do país  e encontrou-se com o ministro da Educação do país, Ong Ye Kung.

No grupo estavam, entre outros, os governadores do Ceará, Camilo Santana, e de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), e o apresentador Luciano Huck. Leite contou que Huck está empenhado em entender e debater as questões de governo, os problemas e as soluções:
— Ele parece bem animado com um projeto. Argumenta que não é para uma candidatura dele, necessariamente, mas que quer ajudar e fazer parte de algo para o país.

Leite viajou a convite da Fundação Lemann. E ficou bastante impressionado com a organização de Singapura:
— Uma ilha de pouco mais de 700 quilômetros quadrados e 5 milhões de habitantes, praticamente na linha do Equador, com um clima tropical, mas sem recursos naturais. Eles têm uma visão muito clara de futuro para o país e sabem que o maior recurso deles são as pessoas. Disso derivam as ações na educação e no recrutamento, seleção e formação de servidores para o governo.

O governador gaúcho aproveitou a viagem para apresentar o portfólio de privatizações e de concessões do Estado ao GIC, um fundo soberano que investe mais de US$ 100 bilhões em 40 países.
— O fundo já está presente no Brasil e tem muito interesse em promover investimentos. O RS entra no topo como uma possibilidade para esse fundo, o maior do mundo —afirmou.