CIDADE

  • 08/10/2019 (16:44:54)

  • Assessoria

  • Fotógrafo: Assessoria

ERECHIM

Encontro pauta Medidas Socioeducativas e o papel dos CASES no Estado

A realização foi da Prefeitura de Erechim, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social em parceria com Centro de Referência Especializado da Assistência Social (CREAS).


O Plenário da Câmara Municipal de Vereadores foi o palco, na tarde desta terça-feira, 8, do II Encontro Municipal sobre Medidas Socioeducativas: Refletindo o Ato Infracional através de Experiências do Meio Fechado.

A realização foi da Prefeitura de Erechim, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social em parceria com Centro de Referência Especializado da Assistência Social (CREAS).

Na Mesa de Trabalhos o prefeito Schmidt, a secretária da Assistência Social Linir Zanella, o presidente do Poder Legislativo Alderi Oldra, a Analista Jurídica do CASE (Centro de Atendimento Socioeducativo) de Passo Fundo, Ana Paula Fuzzer e o Analista em Psicologia da mesma instituição, João Paulo Borges, que falaram sobre o sistema de internação de adolescentes que cometem atos infracionais.



O CASE tem a função de acolher adolescentes com práticas infracionais gravosas, buscando meios de os reinserir na sociedade. A instituição atende os municípios da região, entre eles Erechim.

Nas manifestações a secretária Linir Zanella destacou o apoio a iniciativa do CREAS, como enalteceu a importância do debate sobre um tema que está ligado diretamente com toda a sociedade, principalmente quando são jovens e adolescentes. “Somos sabedores da necessidade de melhores espaços para que sejam desenvolvidas oficinas com os jovens infratores, oferecendo, desta forma, uma melhor qualidade de vida”.

Alderi Oldra ressaltou a importância do momento, parabenizando os organizadores pela iniciativa no debate de um tema que é angustiante, ou seja, o menor infrator. “Os CASES se tornam o amparo e o encaminhamento que muitos procuram para tocar a vida adiante. Precisamos de momentos como este para auxiliar os nossos jovens”.



Schmidt pontuou que nem sempre somos consequência do meio em que vivemos, mas sim vítimas deste. “Mudar a vida da sociedade, é isto que nós queremos. Buscamos viver em uma sociedade justa, fraterna e humana. Vamos sair deste encontro diferentes, pois é preciso acreditar em todos os momentos. Talvez em nossas vidas tenhamos colocado uma vírgula no meio da frase que mudou a vida de muitas pessoas, que pensemos nas ações de cada um durante todos dias, pois as mudanças estão nas mãos de cada um”.