SAÚDE

  • 13/11/2019 (21:02:52)

  • Repórter: ClicRDC

​ NOVEMBRO LARANJA

Zumbido no ouvido atinge 48 milhões de pessoas no Brasil

Zumbido é todo som que as pessoas escutam dentro dos ouvidos, especialmente no silêncio – apito, cigarra, chiado, panela de pressão, etc

Com início em 2009, a Campanha Nacional de conscientização sobre o zumbido, conhecido como Novembro Laranja, é promovida pela Associação de Pesquisa Interdisciplinar e Divulgação ao Zumbido (Apidiz), que se coloca a conscientizar a população sobre a realidade crescente de 48 milhões de pessoas com zumbido no Brasil.

O levantamento foi feito pela Associação com o apoio do Instituto Ganz Sanchez. Os dados finais mostram que houve um aumento expressivo em relação aos 28 milhões estimados há quase 20 anos.


Para entender melhor este problema de saúde pública, a fonoaudióloga da Clínica Comunicação, Luciana Bramati, explica que é considerado zumbido todo som que as pessoas escutam dentro dos ouvidos, especialmente no silêncio (apito, cigarra, chiado, panela de pressão, etc.). “Se o zumbido ocorre há um sinal de que algo não vai bem”, alerta.

É fundamental que o indivíduo portador de zumbido ou ainda intolerante a sons saiba que isto ocorre principalmente em ouvidos mais vulneráveis, portanto os sintomas não podem ser ignorados, constituindo um alerta para investigação médica. Infelizmente o zumbido é mais comum do que se imagina, ele atinge mais de 20% da população mundial, incluindo crianças e adolescentes. 

“Raramente aparece sozinho, estando geralmente associado a perda auditiva, hiperacusia (incômodo excessivo com o volume dos sons) ou a misofonia (incômodo com sons baixos e repetitivos). Geralmente o indivíduo que apresenta zumbido tem maior dificuldade de concentração e maior dificuldade para dormir. Também pode contribuir para quadros de ansiedade ou depressão”, destaca Luciana.

Possíveis causas de zumbido incluem:


Exposição a música alta, ruídos de construção entre outros;
Efeitos colaterais de medicação;
Envelhecimento;
Problemas neurológicos;
Degeneração de ossos no ouvido médio.

A fonoaudióloga explica que se o paciente tem zumbido, pode ser que também tenha algum grau de perda auditiva – 80-85% das pessoas com zumbido possuem perda auditiva. “Essa perda pode afetar a comunicação entre a orelha e o cérebro, e o som percebido pode distrair e dificultar a concentração em outros sons”.

O tratamento é multidisciplinar (otorrinolaringologista, fonoaudiólogo odontologia, psicologia e fisioterapia) e integra diversas especialidades, pois pode variar de acordo com a causa.