ECONOMIA

  • 20/03/2014 (14:32:29)

  • Assessoria

  • Repórter: MB Comunicao

  • Fotógrafo: MB Comunicao

EXPORTAÇÕES

Aurora amplia presença no mercado externo

O conjunto das exportações da Cooperativa Central Aurora Alimentos, em 2013, cresceu 46,7% e atingiu 1 bilhão e 55 milhões de reais. O desempenho da Aurora no comércio exterior vem evoluindo gradativamente e a contribuição das vendas externas na composição da receita operacional bruta total do ano passado (5,7 bilhões de reais) foi de 18,63%.

Os principais destinos foram Ásia (absorveu 27% das exportações), Japão (15%), África (12%), Europa (11%) e Oriente Médio (10%), seguindo-se Ucrânia (6%), Rússia (5%), Eurásia e Cingapura, ambos com 3%. No total, mais de 60 países compram produtos da Aurora.

As exportações de carne de aves cresceram 63% em receita (para 757,9 milhões de reais) e 46% em volume (para 148.815 toneladas). Ostentando a terceira posição entre os exportadores brasileiros de carne de frango, a empresa consolidou sua presença na China, Japão, Hong Kong, Rússia, Holanda, Chile, Emirados Árabes Unidos, África do Sul, Gana e Iraque.

Os produtos da pauta de exportações de aves foram cortes congelados, hambúrgueres, salsichas e miúdos. Entre os cortes de maior demanda estão asas, coxinha das asas, meio das asas, ponta das asas, coxas e sobrecoxas, meio peito, peito, filezinho, CMS (carne mecanicamente separada), dorso e cartilagem, além de miúdos de aves (fígado e moela).

As vendas de carnes suínas prosperaram 16,6% em faturamento (para 294,2 milhões de reais) e 8,5% em volume (para 47.314 toneladas). A Aurora ocupa a quinta posição no ranking brasileiro de exportadores de carne suína, tendo como principais destinos de sua produção Hong Kong, Ucrânia, Angola, Uruguai, Cingapura, Chile, Argentina, Moldávia, China e Geórgia.Os principais cortes suínos exportados foram carré, costela, costelinha, barriga, filezinho, lombo, pernil, paleta, sobrepaleta, joelho, meia carcaça, ponta de costela e cartilagem. A Aurora também exporta os “miúdos suínos” na forma de artéria aorta, reto, bexiga, focinho, coração, língua, pés, estômago, útero, rim e orelha.

De acordo com o presidente Mário Lanznaster, o segmento do frango registrou o maior crescimento, refletindo as recentes incorporações das plantas industriais do FAG (Frigorífico Aurora Guatambu, ex-Bondio) e FAX (Frigorífico Aurora Xaxim, ex-Diplomata). Essa expansão da capacidade produtiva permitiu ampliar as exportações para clientes já tradicionais da Aurora e para novos que se incorporaram à carteira dos seus parceiros comerciais. Também contribuiu para que muitos avicultores pudessem permanecer com sua atividade produtiva, através desses frigoríficos.

O gerente geral de exportação Dilvo Casagrande observa que o crescimento do volume de matérias-primas está baseado principalmente nas exportações de carne mecanicamente separada (CMS) de aves que, anteriormente, as plantas incorporadas da Aurora utilizavam nos produtos industrializados. Agora, aproveitando um mercado que aquelas plantas já detinham, passou-se a exportar estes excedentes.

”Além da consolidação dos volumes, tivemos o fato da abertura das exportações de carne suína para o Japão, evento marcante para a suinocultura catarinense, que exigiu um grande empenho de todos os setores da cadeia, muito aprendizado, treinamento e investimentos. Esse passa a ser um potencial mercado a ser desenvolvido gradativamente, buscando para a carne suína sua consolidação em um mercado estável, assim como o mercado japonês tornou-se para a carne de frango”.

O gerente de exportações prevê que 2014 será mais um ano positivo para a avicultura em face da estabilidade da produção, adequada ao volume da demanda. No segmento da suinocultura, o desafio será a ampliação das vendas externas em razão da entrada em operações da planta industrial de Joaçaba. “Direcionaremos novos volumes para a exportação para escoarmos a produção e incrementar e consolidar as vendas de carne suína para o mercado do Japão”, prevê.