ECONOMIA

  • 15/04/2014 (16:19:47)

  • Da Redação

  • Repórter: MB Comunicao

  • Fotógrafo: MB Comunicao

R$ 86 milhões

Iinaugurada indústria da Coopercentral Aurora Alimentos em Joaçaba

A inauguração de uma das mais modernas e avançadas indústrias de abate e processamento de suínos da América do Sul foi prestigiada pelo Ministro da Agricultura Neri Geller, pelo governador do Estado de Santa Catarina, João Raimundo Colombo, deputados, lideranças políticas e empresariais, profissionais da imprensa e convidados. A nova planta industrial da Coopercentral Aurora Alimentos está localizada no distrito industrial de Joaçaba, no meio-oeste catarinense.

O evento também marcou a comemoração do 45º aniversário de fundação da Cooperativa Central Aurora Alimentos e colocou no mercado uma planta vocacionada e estruturada para atender ao mercado internacional de produtos cárneos: 44% da produção será exportada e 56% comercializada no mercado doméstico.

A unidade industrial de Joaçaba havia sido inaugurada em abril de 2002 e teve suas atividades paralisadas, em face da crise financeira internacional, no mês de abril de 2009. Reabriu em janeiro deste ano, depois de 12 meses de obras de ampliação e modernização que absorveram investimentos da ordem de 86 milhões de reais.

Nessa nova fase, a planta industrial triplicou sua capacidade industrial e de geração de produtos cárneos destinados à exportação, anunciou o presidente Mário Lanznaster. O abate atual é de 1.500 suínos/dia e, em setembro, sobe para 3.000 cabeças/dia.

Os benefícios sociais para a região são imensos. A reabertura do frigorífico de Joaçaba gera 1.060 empregos diretos e 3.000 empregos indiretos. Para essa primeira etapa foram contratados 560 trabalhadores. Para a segunda fase, em setembro de 2014, serão necessárias mais 500 pessoas, totalizando 1.060 empregos diretos. O município-sede será beneficiado com a geração anual de ICMS da ordem de 12 milhões de reais.

Com a ampliação física – que representou mais 15.000 metros quadrados de área construída e compreende os setores administrativos, industriais, de tratamento de efluentes e de apoio – o complexo ficou com área total de 25.000 metros quadrados.

Os setores administrativos estão concentrados em um novo prédio de dois pavimentos e 5.000 metros quadrados de área para abrigar ambulatório, dois refeitórios, quatro vestiários, área de lazer, auditório, Serviço de Inspeção Federal (SIF), departamento de recursos humanos e segurança do trabalho.

O layout interno de vários setores foi alterado. Foram instaladas sete câmaras de resfriamento de carcaças, sala de cortes com mezanino, túnel de congelamento contínuo e túnel estático de congelamento. Foi construída uma nova fábrica de farinhas e subprodutos e, ampliada, a casa de máquinas e de caldeiras. O sistema de tratamento de efluentes foi aperfeiçoado com novo tanque de concreto de equalização, novo flotador e nova casa de química.

Foi perfurado um poço profundo para captação de água do aquífero guarani a 659 metros de profundidade e construída canalização em PAD (polímero de alta densidade) com seis quilômetros de extensão para a destinação dos efluentes tratados até o rio Caraguatá.

As obras de ampliação foram supervisionadas pela equipe de engenharia da Aurora, chefiada pelo engenheiro eletricista Christian Klauck. O gerente da unidade de Joaçaba é Rodrigo Spillari.

Por outro lado, no campo, a base produtiva foi ampliada com o alojamento de maior número de matrizes para a produção de suínos fornecidos pelas cooperativas agropecuárias filiadas à Coopercentral. A programação do fornecimento de animais para abate estava planejada há mais de dois anos, informou Lanznaster.

ESTRUTURA

O frigorífico ocupa área de 20 hectares do Distrito Industrial de Joaçaba (à margem da rodovia BR-282) e, antes da ampliação, constituía-se de planta industrial de 10.000 metros quadrados de área coberta, com capacidade para abater 200 suínos por hora ou 1.000 suínos/dia.

O complexo inclui portaria, administração, vestiários e refeitório, pocilgas, linha de abate, resfriamento, congelamento, estocagem e expedição. A linha industrial compreende os setores de choque, sangria, escaldagem, depilação e chamuscador.

O sistema de tratamento de efluentes compõe-se de sete lagoas de decantação, peneiras, decantadores e flotadores.