Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Divulgação/SARS
Cidade
A estiagem no RS já provocou decretos de situação de emergência em oito cidades
O prefeito de Ponte Preta, Ademir Sakrezenski, é o primeiro na região da AMAU a decretar Situação de Emergência devido aos problemas na agricultura.
Rádio GaúchaZH
por  Rádio GaúchaZH
07/01/2020 16:00 – atualizado há 1 mês
Continua depois da publicidadePublicidade

Oito municípios gaúchos já enviaram documentação à Defesa Civil informando que decretaram situação de emergência devido ao tempo seco e à pouca chuva registrada desde o final de 2019 no Estado. 

A iniciativa das prefeituras visa a facilitar o recebimento de recursos e também amenizar os problemas dos agricultores, ajudando também a renegociação de dívidas. A informação é da Rádio GaúchaZH.

As cidades que decretaram emergência são: Chuvisca, Camaquã e Cerro Grande do Sul (Sul), Pantano Grande, Sinimbu e Venâncio Aires (Vale do Rio Pardo), Boqueirão do Leão (Vale do Taquari) e Maquiné (Litoral Norte). Ainda falta o reconhecimento da situação pelo Estado e a homologação, parte que costuma demorar mais no processo e que depende do governo federal.

Há informações de outras cidades que também já decretaram situação de emergência, mas a documentação ainda não consta na contagem da Defesa Civil.

O prefeito de Camaquã, Ivo Ferreira de Lima (PSDB), afirma que um cálculo feito pela Emater estima prejuízo superior a R$ 70 milhões nas lavouras do município, especialmente no tabaco, milho, soja e feijão. Não entra na conta aquilo que está plantado e não irá se desenvolver devido à pouca água.

Na área rural de Camaquã, poços artesianos secaram e as comunidades estão desabastecidas, obrigando moradores a buscar água em áreas distantes. Situação semelhante é registrada em Cerro Grande do Sul, onde reservatórios estão sendo levados pelas autoridades até áreas afastadas.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE