Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Lucas Correia, Arquivo NSC
Economia
Agenda de leilões do governo tem dois aeroportos de SC, BR-101 e parque
Secretaria Nacional do Programa de Parcerias de Investimentos definiu o cronograma prevendo 79 leilões no ano.
NSCTotal
por  NSCTotal
15/01/2020 13:39 – atualizado há 1 mês
Continua depois da publicidadePublicidade

Entre os 79 itens listados pelo governo federal para os leilões do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) em 2020, três são de Santa Catarina e um envolve indiretamente o Estado. A agenda foi oficializada pela secretaria nacional do PPI com a previsão dos leilões para concessões públicas a empresas.

As áreas de Santa Catarina confirmadas já eram conhecidas. O primeiro leilão deve ser no dia 21 de fevereiro, com a concessão do trecho Sul da BR-101 — entre Paulo Lopes (km 244+680) e a divisa SC/RS (km 465+100). O leilão envolve operação, manutenção, monitoração, conservação e implantação de melhorias do sistema rodoviário. O vencedor será aquele que ofertar o menor preço por praça de pedágio.

Após a concessão, quatro pedágios estão previstos para o trecho da BR-101. Eles devem ficar em Laguna, Tubarão, Araranguá e São João do Sul. O preço máximo de cada praça é de R$ 5,19, mas vai depender da oferta em leilão.

Para o segundo semestre de 2020 a secretaria do PPI confirmou a sexta rodada de concessões de aeroportos, envolvendo 22 terminais. Na lista estão dois catarinenses presentes no chamado Bloco Sul: o Aeroporto Internacional de Navegantes e o Aeroporto de Joinville. Dois consórcios e dois grupos de empresas protocolaram estudos técnicos com propostas de modelos de privatização a serem adotadas no Bloco Sul de concessões da Infraero.

Também para o segundo semestre, o governo federal prevê o leilão do Parque Nacional de Aparados da Serra, que fica na divisa entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Conhecido pelos cânions Fortaleza e Itaimbezinho, o parque deve ser cedido a uma empresa para que receba aporte e gerenciamento, como já acontece nas Cataratas do Iguaçu, no Paraná, por exemplo.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE